Setembro de 1994

Prefácio à edição australiana do "Livro da Confiança" do Padre Thomas de Saint Laurent

Para um observador superficial, um livro especialmente destinado a incrementar nos fiéis a confiança em Deus e na excelsa Virgem Maria pareceria supérfluo.

Com efeito, sobejam, nessa região privilegiada, riquezas naturais de toda ordem. Sua situação geográfica lhe proporciona a ventura de constituir uma das nações mais protegidas contra os vendavais que em nossos dias sopram, borrascosos e ameaçadores, sob a face da terra. Sua população, tranqüila e operosa, parece, assim, estar ao abrigo das guerras e dos dramas que marcam tão acentuadamente a vida das nações, neste fim de milênio.

Por que, então, recomendar tão especialmente aos australianos a virtude da confiança na Providência? A resposta não é difícil. Para que os australianos continuem a gozar por longo tempo dos favores providenciais dos quais se beneficia seu país, é necessário que os agradeça continuamente a Deus. Pois, segundo é óbvio, nada agrada mais a um benfeitor do que tomar conhecimento da gratidão com que seus benefícios são recebidos. E, como a gratidão é uma das mais frágeis virtudes humanas, importa muito incrementá-la com leituras e meditações adequadas.

Ademais, a história de todas as nações prova que, neste vale de lágrimas assim o grande São Bernardo qualificava a existência terrena dos homens tudo quanto nos agrada é instável. Daí a conveniência ou melhor dito a necessidade em que se encontra cada homem de pedir com instância ao nosso Creador e Redentor que o proteja, favoreça e ajude, para vencer as terríveis batalhas espirituais e temporais que marcam sua peregrinação na terra.

É o que, em seu livro sobre a confiança, faz o Abbé de Saint-Laurent. Essa obra, vazada em uma linguagem rica em unção sobrenatural, ensina ao leitor o que é a Confiança, como ele deve praticá-la, e os benefícios morais que ela lhe proporciona.

O Pe. Saint-Laurent recebeu da Providência o dom de falar diretamente às almas, fazendo sentir no seu mais íntimo o valor da confiança e apaziguando, de um modo que por vezes se diria miraculoso, as tormentas que sacodem, por vezes, até as almas mais fiéis.

Seu livro é, pois, uma preciosa ajuda espiritual que felicito vivamente à TFP australiana de pôr agora em circulação.

Fazendo-o, suplico a Nossa Senhora, Medianeira de todas as graças, que o faça difundir-se largamente entre pessoas retas e fiéis que, na Austrália e nações vizinhas, procurem retamente a Deus, seu Creador.