"Diario de Las Americas", Miami, 22 de maio de 1976 – "Catolicismo", nş 306, junho de 1976

Não se converteram, avançaram

No próximo mês de junho, a Itália terá eleições gerais, nas quais serão contendores, com perspectivas de êxito até o momento quase iguais, a Democracia-Cristã e o Partido Comunista.

Isto importa em dizer que, não obstante os pronunciamentos do Cardeal Pomma, Presidente da Conferência Nacional dos Bispos da Itália, da própria CNBI, e até mesmo de Paulo VI, possivelmente terá acesso ao governo italiano uma equipe política da qual os comunistas participem. E como é sumamente difícil e arriscado desalojar do poder governantes comunistas sem o emprego da força – o recente exemplo de Portugal que o diga – a conseqüência é que se a Itália não aceitar de sucumbir definitivamente no comunismo, poderá se encontrar, dentro de algum tempo, diante da eventualidade de uma guerra civil de fundo ideológico: comunistas de um lado, anticomunistas de outro.

Das duas perspectivas, não é esta a pior. Pois, mais terrível ainda será se os comunistas se apoderarem de uma vez por todas do governo italiano, sem que nem sequer a força consiga extirpá-los.

Nesta última hipótese, teremos o ocaso da Itália, com tudo quanto isto representa aos olhos dos homens para os quais Fé, cultura e civilização não são palavras vãs.

Antes de entrar na análise do quadro que assim se abre aos nossos olhos, não posso deixar de acrescentar uma palavra sobre os pronunciamentos das altas autoridades eclesiásticas tão pouco categóricos e eficientes em relação a este supremo inimigo da Igreja.

Creio não haver em toda a história do comunismo uma só atitude do Magistério eclesiástico tão pouco categórica e eficiente em relação a este supremo inimigo da Igreja. De sorte que, se o comunismo for derrotado nas próximas eleições italianas, será uma prova do prestígio da Igreja. Mas, neste caso, se deverá dizer que a derrota só não terá sido muito maior em razão do uso desconcertantemente parcimonioso que o Vaticano e o Episcopado italiano terão feito desse prestígio. E se o comunismo sair vitorioso, poder-se-á apontar nessa mesma parcimônia a desconcertante causa da vitória dos vermelhos.

* * *

Como pode chegar a tal situação a gloriosa Península?

A pergunta não tem um mero interesse histórico. Para todos os países que se encontrem em tal contingência, ela importa nesta outra: o que fazer, e o que evitar para não nos acharmos em tão trágica situação?

O tema é vasto. E sobretudo é complexo. Tentarei traçar-lhe as linhas gerais.

* * *

A causa mais atuante e profunda desse mal está na Democracia-Cristã, considerada enquanto foco de certo espírito, defensora de certo programa e preconizadora de certas técnicas, face a seu adversário.

Esse adversário é precisamente o comunismo. Contra ele, a Alemanha nazista e a Itália fascista haviam organizado repressões que, especialmente a primeira, tinha levado a um auge verdadeiramente condenável. Vencidas as potências do Eixo, punha-se para a Europa Ocidental um problema: sem cair em tais excessos, como combater os Partidos Comunistas, tornados mais audaciosos do que nunca com o imenso avanço obtido pela Rússia na Europa Oriental?

Dividiram-se as opiniões. E enquanto alguns consideravam que era preciso opor ameaça à ameaça, e eventualmente força à força, outros tendiam para uma solução que apregoavam como original, sagaz e humana. Nascia assim a Democracia-Cristã.

O pressuposto mais fundamental do espírito demo-cristão é que só os nazistas e os fascistas foram concebidos no pecado original. Portanto, só contra eles se justifica o emprego de todas as severidades, quando não de todas as violências.

O restante da humanidade lhes parece concebido sem pecado original. Inclusive os comunistas.

Diante desse fundo de quadro surgia, logo no após-guerra, uma questão. – Como podiam estes últimos ser tão despóticos, tão cruéis, tão agressivos?

Para esta pergunta, saltava, rápida e desinibida, a resposta da Democracia-Cristã nascente. É que os comunistas haviam sido maltratados pelas nações do Ocidente. Ressentidos, sobressaltados, eles se preparavam para a vindita.

Para manter a paz no mundo, a condição primordial sem a qual nenhuma outra seria verdadeiramente eficaz, era a desmobilização psicológica de russos e chineses, por meio de provas de cordura, generosidade e até confiança.

Essa máxima se desdobrava em conseqüências, tanto no campo da política internacional, como no das relações com os partidos comunistas, legal ou clandestinamente existentes nas nações capitalistas.

Como se vê, o estado de espírito democrata-cristão era fundamentalmente pacifista, seu programa era conquistar o adversário por meio de concessões. Sua política habitual consistia em acumular umas concessões sobre as outras, até que chegasse um momento em que os comunistas, emocionados, contritos, enternecidos, se atirassem aos braços dos não-comunistas, num grande amplexo de paz.

Na política interna das nações não-comunistas, era preciso eliminar inteiramente o anticomunismo militante. Comunistas e não-comunistas passariam a viver então em regime de coexistência pacífica, sob o signo da "politique de la main tendue". As diferenças de doutrina entre uns e outros já não seriam tratadas em termos de polêmica, mas de diálogo. A fim de não endurecer os comunistas em suas velhas posições combativas, cumpria dar-lhes toda a liberdade legal. O ímpeto comunista, tornado menos furioso por esse tratamento cordial, morreria aos poucos sob o influxo da prosperidade econômica obtida no após-guerra. Pois ao otimismo demo-cristão parecia indiscutível que o comunismo era mero fruto da pobreza. Eliminada esta, ele expiraria por falta de ambiente propício.

* * *

É digno de nota como o otimismo domina todas essas concepções.

Porém, não era só de otimismo que consistia a mentalidade demo-cristã. Tinha ela também, e paradoxalmente, um aspecto profundamente pessimista, ou se revelava no tocante ao perigo da guerra termo-nuclear.

Os democrata-cristãos só viam o perigo atômico nas suas cores mais sinistras, quando não novelescas. A tragédia atômica se lhes afigurava iminente a todo momento. E qualquer resistência aos comunistas, causa direta da guerra mundial.

* * *

Como se vê, nada de mais vantajoso para os comunistas. Pois nenhuma barreira mais se lhes antepunha, postos os demo-cristãos no poder. Todas as vantagens lhes eram oferecidas com um amável sorriso. E, por fim, todos os instrumentos de progresso eram deixados absolutamente ao seu alcance.

- À vista da estratégia demo-cristã, o que fariam os comunistas? Converter-se-iam emocionados, ou avançariam cinicamente rumo ao poder?

Após trinta anos de provas de confiança, gentilezas e concessões demo-cristãs, aí estão os comunistas italianos prontos a iniciar o assalto direto para a conquista de postos no governo.

Em outros termos, eles não se converteram. Avançaram.

* * *

Também no campo internacional, foi o que eles fizeram. Hoje são eles, na Ásia, a grande força dominante. Dizemos "a grande força", e não "as grandes forças", porque nos recusamos categoricamente a crer na autenticidade da contenda Moscou-Pequim. A Oceania estremece inteira diante da ameaça comunista, longínqua em 1945, e tão próxima em 1976. A África está quase toda dominada pelos comunistas. E, no momento presente, disputam acirradamente o poder em Portugal, na França e na Itália. A vez das demais nações poderá chegar logo.

Na América Latina, tentaram os comunistas implantar-se quase por toda a parte, alcançando resultados impressionantes no Chile, na Bolívia e no Peru.

Na Igreja Católica, infiltraram-se os comunistas de modo generalizado. Nas outras igrejas, nem se fala.

Em última análise, ao programa demo-cristão de concessões para comover, os comunistas responderam com ameaças, agressões, avanços e conquistas em escala mundial.

* * *

A esta altura, que juízo fazer da Democracia-Cristã? Alguns se perguntam se ela constituiu a maior tolice ou a maior traição da História. Abstenho-me de entrar no assunto.

Resposta a pergunta tão grave excederia às dimensões de um artigo. O leitor que decida.