Usando o mesmo realejo, mais uma vez investe contra a TFP o tablóide Zero Hora


A TFP se defende

 

 

 

Correio do Povo, Porto Alegre, 19 de fevereiro de 1993

  Bookmark and Share

A PEDIDO

O núcleo sul-riograndense da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade - TFP - vem sendo objeto de um agitado e confuso estrondo publicitário da parte do tablóide Zero Hora. Até o momento, consagrou esse a tal agressão moral mais de 13 páginas, distribuídas nas edições que vão de 28 de janeiro pp. ao dia 16 do corrente. Aguardava a TFP que esta enfurecida investida chegasse a seu termo, para dar-lhe uma réplica global. Mas vendo que ao termo destes dias de tranqüila espera, nenhum sinal se faz notar neste sentido, a entidade agredida se viu no caso de fazer uso do seu direito de resposta, assegurado pelo Art° 5, inciso V da Constituição Federal, e de solicitar, em conseqüência, a Zero Hora, a publicação gratuita da devida réplica. Entretanto, o tablóide em questão se julgou no direito de recusar essa publicação. Inconformada com esta atitude, e não querendo permanecer ouvindo em silêncio objurgatórias de todo em todo infundadas, optou também a entidade por não se sujeitar às demoras indefinidas de uma ação judiciária para impôr a Zero Hora que cumprisse o dever que a Lei lhe impõe nessa emergência. Assim, a TFP sul-riograndense recorre ao presente A Pedido no tradicional e prestigioso Correio do Povo para exercer, através dele, um dos mais legítimos direitos de toda entidade: o de, atacada, defender-se à altura.

*   *   *

Índice

* João Paulo II faz a apologia da castidade

1. Boicotada pelo macro-capitalismo publicitário, a TFP entra em contato direto com o grande público

2. Êxito dos métodos de propaganda da TFP

3. Devoção a Nossa Senhora, segredo do sucesso

4. Também Nosso Senhor Jesus Cristo foi perseguido

5. Uma bofetada sonora

6. A quem aproveita o alegado sumiço do relatório da CPI gaúcha

7. Desmentidas, as quimeras da malevolência imaginativa voltam à ação

8. Elevação de finalidades

9. Com o desmoronamento do império comunista, novo e possante argumento em abono da TFP

10. Com vistas à réplica da TFP nas colunas de ZH

11. "Lembre-se: o direito de resposta é sagrado"

12. Testemunhas anônimas de episódios alheios ao contexto familiar e social do Brasil de hoje

*   *   *

I - A crise religiosa e moral da sociedade é a grande causa das tensões entre pais e filhos

1. João Paulo II aponta "influxo negativo da mídia" na crise da família no Brasil

2. Conflito da mentalidade moderna com a doutrina da Igreja sobre moral sexual

3. A influência nefasta da televisão – Articula-se a reação

4. Pais e mães opostos ao ditatorialismo paterno

II - Aliciamento

1. O recrutamento da TFP: um maquiavélico processo de "aliciamento" de adolescentes?

2. Acusações calibradas - Acusações descalibradas

3. Uma acusação anacrônica

4. A força de atração do ideal sobre a juventude

III - Seita

1. "Seita": o que ZH entende por isto?

2. Método progressivo de formação não se confunde com iniciação sectária

3. A pedagogia ensinada por Nosso Senhor Jesus Cristo

4. Os arcanos de São João Bosco

5. Apologia do Cardeal Siri

6. A "base" da argumentação de "Zero Hora"

7. Entusiasmo santo / Fanatismo / Fanatismo anti-TFP

8. Na polêmica, reluz o espírito de cavalaria

___________________________________________________________

João Paulo II faz a apologia da castidade

Dirigindo-se aos jovens reunidos no Estádio Nakibubo, em Kampala (Uganda), João Paulo II disse:

"A pureza de costumes, disciplinadora da atividade sexual, é o único modo seguro e virtuoso para pôr fim à trágica praga da Aids, que tem ceifado tantos jovens" (cfr. Osservatore Romano, 8-9/2/1993). Com estas palavras bem se vê que o Santo Padre ensina ser a castidade uma preciosa virtude, cuja prática é acessível a todos. Segundo ele, longe de produzir qualquer deformação espiritual ou física nos que a cultivam, a pureza lhes acarreta inestimáveis vantagens. Do contrário, o Pontífice não poderia aconselhá-la a toda uma nação com cerca de 17 milhões de habitantes. Esse ensinamento pontifício é bem exatamente o oposto do que preconiza "Zero Hora", na campanha anti-científica e inglória com a qual procura instrumentalizar os pais numa ampla frente única contra os que apregoam esta virtude. Assim, os lares que se deixem influenciar pela campanha de "Zero Hora" contra a pureza e em favor da impureza vão se afastando cada vez mais do sublime modelo de todas as famílias verdadeiramente cristãs, isto é, a Sagrada Família, composta pelo Divino Menino Jesus, por Maria Santíssima, a Virgem das virgens, e por São José, seu castíssimo esposo.

"Uganda - noticia a "Folha de S. Paulo" de 9-2-93 - é o segundo país em número de aidéticos. A Organização Mundial de Saúde divulgou em janeiro que os hospitais já registraram mais de 34.611 doentes. Esse número só é superado pelos EUA, que tem cerca de 242 mil aidéticos declarados".

[Obs.: No presente trabalho, todos os destaques gráficos feitos em citações são nossos].

_____________________________________________________

 

Quem replica deve começar por esclarecer. Uma palavra sobre a TFP, seus fins, seus métodos, e a vida que se leva em suas sedes é, pois, necessária, já que tudo isto vem posto em foco, ora difusa, ora explicitamente, na investida publicitária que "Zero Hora" está movendo contra a TFP. No Rio Grande do Sul, a TFP possui 4 sedes, todas elas freqüentadas habitualmente por jovens que ali se dedicam à oração, a estudos relacionados com suas atividades sociais e a trabalhos burocráticos, necessários ao bom andamento de seu programa em favor dos ideais da Tradição, da Família e da Propriedade, entendidos segundo a doutrina tradicional da Igreja. Uma dessas sedes serve de moradia a jovens. Como pôde um grupo com tão exíguas instalações alcançar na cidade de Porto Alegre e em todo o Estado do Rio Grande do Sul a notoriedade de que desfruta e ter preocupado seus opositores a ponto de terem imaginado - já nos idos de 1975 - ser necessário instaurar sobre a TFP uma ruidosa CPI, das mais propagandeadas que houve até então no Brasil? E mais recentemente, por que o tablóide "Zero Hora" lançou contra ela a partir do dia 28 de janeiro do corrente ano uma ofensiva que até a presente data continua em curso, lhe tendo já dedicado mais de 12 páginas?

A resposta é fácil. Nesse Estado, o núcleo da TFP constitui um setor de uma unidade muito maior: a TFP brasileira global, a qual possui sedes em muitos outros Estados, bem como cooperadores e correspondentes em quase todos eles.

1. Boicotada pelo macro-capitalismo publicitário, a TFP entra em contato direto com o grande público

Desde sua fundação em 1960, a TFP sempre sofreu o boicote das famosas "patrulhas ideológicas", disseminadas por quase toda a mídia, infiltrada de esquerdistas. Tal fato tornava difícil a publicação de notícias referentes às suas atividades, que entretanto, desde o início, eram de grande importância. Assim, naquele mesmo ano, a TFP lançou e difundiu por quase todo o território nacional o livro Reforma Agrária - Questão de Consciência, concernente ao problema que já então nascia candente no panorama nacional. Embora o que se publicou sobre o livro através da mídia tenha sido proporcionalmente insignificante em face da saída que ele teve, "O Globo" de 30 de junho de 1961 qualificou-o de best-seller.

Eram autores da obra o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, Presidente do Conselho Nacional da TFP, D. Geraldo de Proença Sigaud, Arcebispo de Diamantina, D. Antonio de Castro Mayer, bispo de Campos e o economista Luiz Mendonça de Freitas.

A dificuldade de romper o cerco de silêncio criado pelos meios de comunicação social levou a direção da TFP a procurar o contato direto com o grande público. Com efeito, ela jamais pertenceu à polpuda categoria do macro-capitalismo publicitário, e nunca dispôs de recursos para a fundação de televisões, rádios ou jornais próprios.

A rogos dela lançaram-se às ruas e praças de São Paulo e sucessivamente de dezenas de outras cidades, para a venda do best seller, os jovens que a constituíam - então poucas dezenas.

Ardorosos mas polidos, operosos mas alegres, prudentes mas destemidos, granjearam eles, em pouco tempo, a simpatia de importante parte do público. E conseguiram dar origem, em torno do estandarte da TFP, a uma ponderável corrente de opinião, constituída de brasileiros de todos os Estados, idades e classes sociais.

Antes de encontrar a TFP, esses brasileiros viviam esparsos no País, sem voz nem vez, pois nada na vida pública de nossa tão imperfeita democracia os favorecia. A atitude da maioria "democrática" em face dessa minoria, entretanto respeitável, consistia em lhe abafar a voz por uma avalanche de qualificativos desagradáveis, tão logo algum integrante dela a tentasse levantar, não só em ambiente da vida pública, mas até da vida privada. Assim, não havia em torno dessa minoria clima propício para que ela proclamasse e expandisse seus anseios por um Brasil desinibida e ufanamente católico e, por isso mesmo, forte e respeitado em alto grau no conjunto das nações.

2. Êxito dos métodos de propaganda da TFP

A boa acolhida do público não foi, entretanto, isenta de transtornos. Enquanto a TFP se irradiava, perseguia-a infatigavelmente o ódio. De arraiais da esquerda, como de camadas indefiníveis do público, uma campanha de injustas detrações e de rançosas objeções doutrinárias a seguia passo a passo.

Nada disto impediu, contudo, que o prestígio da TFP continuasse a crescer junto à opinião pública ao longo das numerosas campanhas que de então para cá ela vem realizando. Prova-o por exemplo o êxito que alcançou em 1990 o abaixo-assinado que ela promoveu em prol da independência da Lituânia.

No Brasil, tal campanha conseguiu mais de 3 milhões de assinaturas. E mais de 2 milhões em outros países (5.212.580 assinaturas no total) para os quais países a TFP "exportara" ideologia, ou melhor, irradiara seus ideais suscitando a formação de TFPs autônomas e co-irmãs ou de bureaux de representação das TFPs - ao todo 23 países -, hoje o estandarte rubro com o leão rompante tremula nos 5 continentes. O Guiness Book of Records de 1993, anuário inglês mundialmente conceituado, afirma ter sido esta a maior campanha de abaixo-assinados até agora realizada no mundo!

Quanto aos jovens da TFP brasileira, que em 1960 se lançaram ante o grande público de São Paulo e de outras cidades, em defesa da Tradição, da Família e da Propriedade, eles foram aumentando em número e constituindo gradualmente caravanas de propagandistas. Até o presente momento, essas caravanas já percorreram no total 4.767.270 quilômetros, fizeram 21.743 visitas a cidades diversas e difundiram 1.619.909 exemplares de obras publicadas pela entidade. A quilometragem desses percursos das caravanas da TFP equivale a mais de 100 voltas em torno da Terra ou a 8 viagens de ida e volta à Lua.

Que tantos jovens do século XX façam tudo isto por puro idealismo, sem outra vantagem pessoal que a de ter a consciência cheia da luminosa certeza de estarem bem servindo a Civilização Cristã, é algo dificilmente igualado em nossos torvos dias.

Acrescente-se que tudo isto tem sido realizado com tal amor à verdadeira ordem, que o arquivo da TFP possui 5.389 atestados de prefeitos (dos quais 95 gaúchos), delegados de polícia (dos quais 79 deste Estado), juízes e associações de classe, asseverando o caráter inteiramente pacífico da atuação dela nas suas comarcas, municípios e distritos.

Os raros momentos de lazer foram mais de uma vez empregados pelos caravanistas em obras de misericórdia, espirituais e materiais. Assim, efetuaram 1748 visitas a hospitais. O número de doentes com que tomaram contato ascendeu a 21.540.

* * *

Ao nos referir à eficácia da atuação da TFP, não poderíamos deixar de fazer um ato de reconhecimento e gratidão ao preclaro Presidente do Conselho Nacional, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, que por sua fidelidade à doutrina tradicional da Igreja e seu amor à Civilização Cristã, tem orientado com discernimento e desassombro a entidade desde sua fundação.

Ainda na juventude, destacou-se o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira como orador, conferencista e jornalista católico. Inspirador e um dos fundadores da Liga Eleitoral Católica, tornou-se o deputado mais jovem e o mais votado, ao ser eleito, com 24 anos, para a Assembléia Federal Constituinte de 1934.

O Prof. Plinio Corrêa de Oliveira marcou sua atuação pública por um único e longo ato de coerência e fidelidade. Fidelidade esta testemunhada, por exemplo, em sua obra "A Liberdade da Igreja no Estado Comunista", publicada em 1963, a qual mereceu do Cardeal Giuseppe Pizzardo e do Mons. Dino Staffa, respectivamente Prefeito e Secretário da Sagrada Congregação dos Seminários e Universidades, o seguinte elogio: "Congratulamo-nos com ... o egrégio Autor, merecidamente célebre pela sua ciência filosófica, histórica e sociológica e auguramos a mais larga difusão ao denso opúsculo, que é um eco fidelíssimo de todos os documentos do supremo Magistério da Igreja..." (1).

(1) Muitos outros documentos de importantes autoridades eclesiásticas, elogiosos ao Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, poderiam ser aqui citados. Transcrevemos a seguir, a título de exemplo, alguns deles:

A primeira obra escrita pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira Em Defesa da Ação Católica, publicada em 1943, foi prefaciada pelo então Núncio Apostólico no Brasil, Dom Bento Aloisi Masela.

Ainda a respeito desta obra, o autor recebeu uma carta de elogio, em nome de Pio XII, assinada por Monsenhor J. B. Montini, então Substituto da Secretaria de Estado de Sua Santidade e futuro Papa Paulo VI, da qual extraímos o seguinte trecho: "Sua Santidade regozija-se contigo porque explanaste e defendeste com penetração e clareza a Ação Católica, da qual possuis um conhecimento completo, e a qual tens em grande apreço. .... O Augusto Pontífice de todo o coração faz votos que deste teu trabalho resultem ricos e sasonados frutos, e colhas não pequenas nem poucas consolações" ( Cfr. Plinio Corrêa de Oliveira, Em Defesa da Ação Católica, Artpress, 2ª Edição, São Paulo, 1983, 382 pp.).

Revolução e Contra Revolução, obra máxima do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira e livro de cabeceira dos membros das diversas TFPs, recebeu, em 1961, uma carta-prefácio de Mons. Romolo Carboni, então Núncio Apostólico no Peru, na qual se lê: "Estou certo que seu conceituado livro tem prestado singular serviço à causa católica, e contribuirá para unir as forças do bem na premente solução do magno problema contemporâneo. ...

"Auguro-lhe, distinto Professor, uma ampla difusão e uma merecida acolhida de seu livro entre os leitores católicos, desejosos de se alistarem nas fileiras do movimento anti-revolucionário" (Cfr. Plinio Corrêa de Oliveira, Revolución y Contra-Revolución, Ed. Paulinas, Santiago, Chile, 1964, 156).

3. Devoção a Nossa Senhora, segredo do sucesso

Este impressionante êxito, a TFP jamais o teria obtido se não fosse a devoção que ela promove entre os seus membros à Santíssima Virgem, Medianeira Universal das Graças, inspirada no Tratado da Verdadeira Devoção de São Luís Maria Grignion de Montfort. Daí vêm aos sócios, cooperadores e correspondentes da TFP a fé e a piedade que lhes torna possível realizar esta epopeia (2).

(2) É este o momento para fazer luz a respeito de mais um ponto que tem servido de pretexto aos infatigáveis murmúrios dos adversários da TFP. É o alto tema da "escravidão de amor" preconizada por São Luís Maria Grignion para os fiéis de seu tempo.

No Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, São Luís Maria Grignion de Montfort ensina o que seja a "escravidão de amor" a Nossa Senhora. Escravidão a Maria? É o que se diz legitimamente na linguagem marial corrente. Pois a fórmula de São Luís Maria Grignion de Montfort se intitula CONSAGRAÇÃO DE SI MESMO A JESUS CRISTO, A SABEDORIA ENCARNADA, PELAS MÃOS DE MARIA. E tal consagração é feita "na qualidade de escravo perpétuo".

Esta escravidão, toda espiritual, importa numa suma liberdade. É o que salienta, com clareza e precisão, S.S. João Paulo II. Interrogado a respeito pelo conhecido escritor André Frossard, assim se exprimiu o Pontífice sobre a "sagrada escravidão" a Maria Santíssima:

"Escravidão: a palavra pode chocar nossos contemporâneos. Por mim, não vejo nela nenhuma dificuldade. Penso que se trata de uma espécie de paradoxo, como freqüentemente se encontra nos Evangelhos, significando as palavras 'santa escravidão` que nós não poderíamos realizar mais profundamente nossa liberdade, o maior dos dons que Deus nos tenha feito. Porque a liberdade se mede pelo amor do qual somos capazes.

"É isto, creio, que (Montfort) quis mostrar" (Frossard, Dialogues avec Jean-Paul II, Paris, 1983, pp. 186-187; apud L'Homme Nouveau, Paris, 18-11-84).

Com efeito, enumerando os motivos que recomendam a "escravidão de amor", diz São Luís Maria Grignion de Montfort: "Esta prática de devoção dá, às pessoas que a praticam fielmente, uma grande liberdade interior, que é a liberdade dos filhos de Deus (cfr. Rom. 8, 21). Visto que, por esta devoção, nos tornamos escravos de Jesus Cristo, consagrando-nos todo a Ele nesta condição, este bom Mestre, em recompensa do cativeiro por amor a que nos submetemos, tira, primeiro, à alma todo escrúpulo e temor servil, que a constrangem, escravizam e perturbam; segundo, alarga o coração por uma santa confiança em Deus, fazendo-o considerá-Lo como Pai; terceiro, inspira-lhe um amor terno e filial" (Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, Vozes, Petrópolis, 4ª ed., 1949, pp. 163-164).

Cfr. também Servitudo ex Caritate (Átila Sinke Guimarães, Artpress, 1985, 302 pp.) e o comunicado de imprensa "Sobranceira e serena, a TFP enfrenta o XI estrondo publicitário" ("Folha de S. Paulo", 26-3-1985).

Mas, para alcançar êxito junto ao "homem da rua", em contato persuasivo, simpático, mas ao mesmo tempo irremediávelmente firme quanto aos vários temas tratados, é preciso que o propagandista da TFP tenha cultura, pelo menos de nível médio, a respeito dos mais variados assuntos. É preciso saber expor de modo claro e atraente seu próprio pensamento e discutir, com afabilidade mas com segurança, com os mais variados transeuntes. Em suma, é preciso estudar, é preciso permutar com os companheiros de ação as respectivas experiências, e aperfeiçoar assim, gradualmente, sua própria argumentação.

É o que se faz desde a manhã até a noite, em ambiente sereno e cordial, nas sedes da TFP, aos olhos de uma vizinhança em geral neutra e curiosa, ou simpática e benévola... mas também, por vezes, hostil, por razões diversas - desde incompatibilidades temperamentais até certa contaminação pelo vírus esquerdista.

4. Também Nosso Senhor Jesus Cristo foi perseguido

Se o próprio Cristo Jesus, Senhor Nosso, não foi poupado pela perseguição da maledicência, a fortiori dela não consegue escapar quem procura amá-lO e servi-lO. "Christianus alter Christus" - O cristão é um outro Cristo (3).

(3) * Convém recordar que os próprios parentes do Divino Salvador chegaram ao extremo de considerar que Ele tinha perdido o juízo! No Evangelho de São Marcos lê-se: "E, voltando (Jesus e os Apóstolos) à casa, reuniu-se de novo a multidão, de modo que nem podiam tomar alimento. E os seus parentes, tendo disto conhecimento, vieram apoderar-se dEle, porque diziam que tinha perdido o juízo" (Mc. 3, 20-21).

* Na segunda Epístola de São Paulo a Timóteo lê-se: "Tu, porém, tens seguido a minha doutrina, a minha maneira de viver, as intenções, a fé, a longanimidade, a caridade, a paciência, as (minhas) perseguições, sofrimentos, quais me aconteceram em Antioquia, Icônio e em Listra; perseguições que sofri, e de todas me livrou o Senhor. E todos os que querem viver piamente em Jesus Cristo padecerão perseguição. Mas os homens maus e sedutores irão de mal a pior, errando e induzindo outros a erro" (II Tim. 3, 10-13).

* Contra Santo Ambrósio (340-397), por causa das campanhas que fazia em prol da pureza, se desencadearam furiosos ataques dos inimigos da virgindade (cfr. Pe. Francisco de B. Vizmanos SJ, Las Vírgenes cristianas de la Iglesia primitiva, BAC, Madrid, 1949, pp. 202 a 204 / Imprimatur: Casimiro, Obispo aux. y vic. gen., Madrid, 12-1-1949).

* Amigos e parentes de três discípulos de Santo Inácio acusavam-no de perverter a juventude e exercer sobre ela uma influência que só podia ter origem na magia (cfr. J. M. S. Daurignac, Santo Inácio de Loiola, Livraria Apostolado da Imprensa, Porto, 1958, pp. 111, 112, 114, 116, 117, 135, 136, 145 a 149, 176, 177 / Pode imprimir-se: Mons. Pereira Lopes, Vigário Geral, Porto, 20-5-1958).

* As ruas fervilhavam de rapazes e moças entregues ao vício, mas era com as pobres freiras do primeiro mosteiro fundado por Santa Teresa de Ávila (1515-1582) que a cidade se preocupava (cfr. William Thomas Walsh, Santa Teresa de Avila, Espasa-Calpe, S.A., Madrid, 1960, 3ª ed., pp. 236 a 246).

* Acusaram São Filipe Néri (1515-1595) de fomentar uma seita e de criar conventículos cuja independência expunha à heresia (cfr. Marcel Jouhandeau, Saint Philippe Neri, Plon, Paris, 1957, p. 139).

* Os ímpios tomavam São Luís Maria Grignion de Montfort (1673-1716) como diabólico, chamando-o de Anticristo; os mundanos consideravam-no extravagante, e os bons tinham-no como esquisito e fora do comum (J. M. Texier, São Luís Maria Grignion de Montfort, Vozes, Petrópolis, 1948, pp. 44-45 / Com aprovação eclesiástica).

* São Clemente Maria Hofbauer (1751-1820) chegou a ser tido em seu tempo, pelos inimigos do nome católico, como homem perigoso, cujo banimento era exigido pela tranqüilidade pública (São Pio X, Bula de canonização do Beato Clemente Maria Hofbauer de 20-5-1909, in Actes de Pie X, Bonne Presse, Paris, pp. 210-211).

* São João Bosco (1815-1888) foi acusado por um ferrenho anti-clerical de ter escrito um livro (a vida de São Domingos Sávio) "cheio de fanatismo", que poderia transtornar o cérebro de seu filho (cfr. Biografía y escritos de San Juan Bosco, BAC, Madrid, 1955, p. 273 / Imprimatur: José María, Obispo Auxiliar y Vicario General, Madrid, 13-5-1955). O mesmo santo sofreu oposições até da própria Hierarquia católica (Cfr. A. Auffray SDB, Dom Bosco, Livraria Editora Salesiana, São Paulo, 1955, Prefácio à 3ª ed. francesa, p. 6 / Imprimatur: Mons. M. Meirelles Freire, Vigário-Geral, São Paulo, 9-10-1946).

As perseguições sofridas pela TFP ou por quem quer que seja não lhes conferem automaticamente a honra dos altares. Mas é - como acima está dito - trilhando os passos do Divino Salvador que um dia se poderá chegar à eterna bem-aventurança.

5. Uma bofetada sonora

Contra a TFP, em 32 anos de existência se desataram 12 estrondos publicitários. Um deles, por exemplo, a partir de uma bofetada dada por um cooperador da TFP gaúcha a um conhecido que se referiu de modo insolente à sua respeitável progenitora. O esbofeteado foi diretamente queixar-se na delegacia, e este incidente banal foi matéria de dezenas de notícias em pelo menos 19 jornais de todos os quadrantes do Brasil (4).

(4) Em 1970, além de "Zero Hora", por exemplo, publicaram a versão deformada do incidente os seguintes jornais: "O Estado de São Paulo", "Diário Popular" (SP), "Diário do Grande ABC", "A Tarde", todos no dia 3-10-70; "A Província do Pará", "Diário Popular", (SP) no dia 4-10-70; "Diário Popular" (Pelotas), 6-10-70; "O Jornal" (RJ), 7 e 14-10-70; "Fato Novo", 19 e 24-10-70.

Cinco anos depois, em 1975, o mesmo fato serviu de matéria para "O Estado de São Paulo", "Correio do Povo" (Porto Alegre), ambos em 12-8-75; "Zero Hora", 26, 27 e 28-8-75; "Diário de Notícias", 26-8-75; "O Liberal" (Belém), "Tribuna da Bahia", "O Estado do Paraná", "Gazeta do Povo" (Curitiba), "Folha da Manhã", "Diário de Pernambuco", "Diário Popular" (SP), "Diário de Minas", "Diário de Brasília" e "A Província do Pará", todos em 2-9-75.

* * *

6. A quem aproveita o alegado sumiço do relatório da CPI gaúcha

Como já foi dito, em 1975, a partir de uma inútil, rumorosa e insultante campanha, abriu-se na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) a respeito da TFP, a qual redundou na verificação da inteira inocência da entidade (5).

(5) Dados numéricos sobre os trabalhos da CPI:

* ela reuniu-se por 19 vezes, sendo 13 para colher depoimentos, os quais duraram, no total, 50 horas e 10 minutos;

* expediu 68 ofícios;

* operou pelo prazo de 90 dias e

* requisitou 787 documentos (cfr. Relatório das atividades 1975, Dep. Algir Lorenzon, Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, 1975, Porto Alegre, p. 43).

É sobre este estrondo que ZH escreve com um timbre repassado de saudades.

1) No modo pelo qual ZH se refere ao assunto parece manifestar a suspeita de que o relatório final da CPI talvez tivesse sido roubado pela TFP. Nossa entidade não compreende tal suspeita, pois que interesse podia ter ela no desaparecimento do documento em que era inocentada? Ademais, esta Sociedade, que poderia ter-se eximido, mediante recurso ao Judiciário, de atender às convocações da referida Comissão, para depoimentos, prestou-se entretanto a todos os interrogatórios e perquirições dela exigidos.

Mais longe seria impossível que a TFP levasse a evidência de quanto estava segura de sua inocência e incólume face à sanha do ódio que contra ela rugia em ZH como em outros órgãos da mídia nacional.

O que, pois, teria ela a temer? No que interessaria a ela o desaparecimento do relatório da CPI, no qual ficaram tão rutilantemente provadas sua perfeita inocência e sua incontestável vitória? Era a ela, a vencedora, que caberiam as suspeitas? Ou aos vencidos? Entretanto, a TFP combate sem rancor e se defende sem ódio. Por isso, ela não levanta esta questão.

A posição dela perante o assunto consiste em se considerar estranha ao alegado desaparecimento do relatório da CPI. Já que não a ela, mas aos órgãos da colenda Assembléia Legislativa gaúcha cabe a responsabilidade pela guarda de tal documentação, é a esta última que cabe dizer sua palavra autorizada, sobre o evento. Também têm o direito a se pronunciar sobre o caso os membros da CPI.

É sabido que, terminados os interrogatórios, esta última prolongou sua existência até o final do prazo regimental que lhe era concedido por lei. Sabe-se que, até o fim desse prazo, a CPI não teve outras testemunhas para interrogar. A título terminal, cabe apenas à TFP dizer que, sempre bem documentada, estará em condições de se defender contra qualquer torpe calúnia sobre todo este assunto, e isto com uma eficácia própria a surpreender muita gente.

* * *

7. Desmentidas, as quimeras da malevolência imaginativa voltam à ação

Para fechar de vez a boca a tanta difamação de que ao longo dos anos tem sido objeto, a TFP publicou dois extensos livros narrando sua própria história, intitulados Meio século de epopéia anti-comunista (1980) e Um homem, uma obra, uma gesta (1989). Ninguém os contestou em nada, mas depois de um período de silêncio, o mesmo murmúrio calunioso recomeçou a cobrir os espaços: a TFP adotaria métodos escusos para "aliciar" menores, retê-los-ia nas suas sedes para atividades desconhecidas do grande público, com o que os separaria intencional e maldosamente dos pais, e dos jovens assim "aliciados" faria uns esquisitões, incompreendidos e mal vistos por todo mundo. E tudo, cumpre insistir, na silenciosa discreção de nossas sedes, entretanto tão normal nos locais onde tudo converge para a oração e o estudo feito em nível de leitura e de reuniões para a cordial permuta de observações sobre a realidade contemporânea (cfr. subtítulo nº 3).

A malevolência quis imaginar nisto algum mistério.

Mistério, santo Deus, mistério!

Para esconder o quê?

O que a TFP faz foi aqui sumariamente narrado. E também narrado com luxo de detalhes nos livros há pouco mencionados. E ninguém pode apontar algo por ela feito que não se encaixe neste conjunto de defesa dos valores básicos da Civilização Cristã, sem o concurso do qual, cumpre insistir, o Brasil ter-se-ia transformado na Rússia da América do Sul.

8. Elevação de finalidades

A elevação de suas finalidades é reconhecida hoje em dia, de bom ou de mau grado, até em ambientes durante muito tempo compactamente hostis à entidade. Referimo-nos especialmente às correntes ideológicas e políticas do proletariado ou da pequena burguesia filiadas ao comunismo ou ao socialismo, bem como, no extremo social oposto, a certos ambientes plutocráticos que, segundo tudo faria imaginar, se oporiam às referidas correntes, mas que, pelo contrário, davam seu fogoso apoio a todas as reformas estatistas, tendentes a configurar sempre mais o Estado e a sociedade segundo os ditames marxistas. Esta plutocracia de esquerda ou de centro-esquerda, favorável às reformas agrária, urbana e empresarial, era alcunhada jocosamente de "saparia".

Assim procedendo, todas essas forças ou correntes proclamavam sua convicção de que a estatização, que desejavam por vezes ampla mas gradual, e outras vezes drástica e completa, concorria para o bem das classes necessitadas.

9. Com o desmoronamento do império comunista, novo e possante argumento em abono da TFP

A queda da cortina de ferro desvendou aos olhos do Ocidente toda a extensão da sinistra miséria intelectual, cultural e econômica a que a estatização conduzira (mesmo quando não aplicada integralmente nesta ou naquela zona).

Combater o comunismo importava em preservar contra tal miséria o próprio País, ou até todo o Ocidente. Tal era o ideal da TFP, defensora da Tradição, da Família e da Propriedade.

Diante da tragédia apocalíptica da ex-URSS, o comunismo internacional, envergonhado, se encolheu como uma serpente. Mais de um de seus partidos, institutos intelectuais, e órgãos de imprensa mudou de título, para fazer esquecer ao público seu passado comunista. Analogamente procederam socialismos e socialistas de variados matizes. Ipso facto, reconhecendo a nocividade do comunismo, reconheciam implícita e involuntariamente a benemerência da TFP, a qual enfrentou sempre oposições (...estrondos!) e agressões publicitárias de diferentes tipos, para evitar que o Brasil fosse hoje, como já foi dito, a Rússia da América Latina (cfr. subtítulo nº 7).

10. Com vistas à réplica da TFP nas colunas de ZH

Negar a elevação de espírito, o desprendimento e a benemerência da TFP é atrair merecidamente sobre si a suspeita de querer reerguer o que esta combatia.

Mistério, sim, ele existe. Porém ele não está na TFP. Ele está, isto sim, no fundo dos antros de onde sistematicamente emana contra ela um ódio implacável, que encontra o concurso de poderes dos mais formidáveis e variados dentre os que dominam o mundo contemporâneo. "Haec est hora vestra et potestas tenebrarum": esta é a vossa hora e o poder das trevas (Lc. 22,53), poderia a TFP dizer com o Divino Salvador a tantos dos seus difamadores. Mas já luzem no horizonte os sinais de que as promessas de Nossa Senhora em Fátima não tardarão muito a realizar-se, e de que não está longe o momento em que esses difamadores perceberão enfim que os ouvidos do gênero humano, o qual Deus tanto ama e que a graça reconduzirá ao reto caminho, se haviam tornado surdos a seus murmúrios. É para prestar sua despretensiosa colaboração a que tal se realize quanto antes, que a TFP se dá ao trabalho de refutar aqui acusações já de sobejo refutadas. E baseada na garantia constitucional do Art. 5º inciso V (6), ela conta com as colunas de ZH para desmentir o que o jornal afirmou, retificar o que ele interpretou mal, e fazer luzir nas suas páginas a verdade, em todo o seu esplendor.

(6) Ao tratar dos direitos e garantias fundamentais, individuais e coletivos, no Art. 5º-V, reza a Constituição Federal de 5-X-88: "É assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização, por dano material, moral ou à imagem". Essa disposição está regulamentada pela Lei da Imprensa.

11. "Lembre-se: o direito de resposta é sagrado"

Na realidade, não seria necessário apelar para a força da lei para conseguir de ZH esta atitude eqüitativa. Para os homens de robusta coerência e alta responsabilidade profissional, a força da lógica vale tanto quanto a força da lei. O Sr. Augusto Nunes se encontra há menos de um ano na direção da redação de ZH. Lemos pouco sua folha, cujo feitio ideológico, psicológico e por assim dizer temperamental não quadra com o nosso. Pelo que conhecemo-lo pouco. Mas, todo homem deve ser presumido reto e coerente, salvo prova em contrário. Assim de bom grado o imaginaríamos, se não fosse a violenta decepção pela qual passamos, ao ter uma forte experiência do contrário, à vista da ofensiva publicitária unilateral e apaixonada que ZH está desenvolvendo contra a TFP. Sem embargo, não queremos, por uma só experiência, formar um juízo cabal sobre o homem todo. Ora, as palavras introdutórias com que encabeça o Manual de redação e estilo (organizado e editado por Eduardo Martins, São Paulo, "O Estado de S. Paulo", Editora Parma Ltda., 1990, pp. 351) fazem esperar dele o seguinte procedimento modelar: "Os dois ou mais lados envolvidos numa notícia deverão ser sempre ouvidos, se possível antes da publicação dos fatos ou declarações. Só quando alguma pessoa não puder ser encontrada é que se deve deixar sua palavra para o dia seguinte. A observação vale especialmente para os casos em que haja acusações a alguém. Lembre-se: o direito de resposta é sagrado" (op. cit., pag. 56). Nada disso se deu com a abertura e a continuação da presente ofensiva de ZH. "A esperança é sempre a última a morrer". Com pertinácia continuamos a esperar que, pelo menos quando se tratar da publicação da defesa da TFP nas páginas de ZH, a realidade dos fatos coincida com os elevados princípios doutrinários mencionados no tópico acima: "Lembre-se: o direito de resposta é sagrado". Do contrário, se teria estabelecido entre nós uma verdadeira ditadura publicitária (7).

(7) A expressão pode parecer por demais contundente. Mas o despotismo manifestado muitas vezes por aquele que já Carlos de Laet qualificava de IV Poder, tem sido apontado por observadores conceituados. Leiam-se, por exemplo, as observações do ensaísta Gilberto de Mello Kujawski:

"A Imprensa não só quer informar como quer intervir na ordem das coisas. Querendo ou não, a Imprensa entra no jogo do poder. Constitui-se como poder paralelo ao poder político e econômico, podendo confrontar-se com os mesmos ou ser cooptada por eles. (...). "A mídia atira a torto e a direito, atingindo culpados e inocentes. Não se distingue entre as denúncias procedentes e fundamentadas, as denúncias procedentes e não fundamentadas e as denúncias nem procedentes nem fundamentadas. Tudo serve de lenha para a fogueira. Instala-se o terrorismo da mídia, do qual ninguém está a salvo. "Ora, quando a mídia está superaquecida, o risco maior é o País pegar fogo, independente do mérito das questões. O simples bombardeio continuado de informações explosivas altera a estabilidade do mercado, abala as instituições, acirra os ânimos e compromete a concórdia, aquela disposição para a boa convivência social. (...). "A Imprensa troca a informação pelo ruído. Chama-se 'ruído`, na teoria da informação, a informação deturpada, o boato, a zoada. (...) A maneira mais simples de atuar sobre o mundo é bombardeá-lo com boatos e balelas os mais variados. (...)

"A Imprensa nunca é inocente, mesmo nos seus melhores momentos. Nunca ela é puramente factual e descritiva. (...) Toda informação trai uma opinião. "O réu da imprensa é sempre culpado, mesmo com prova em contrário. Daí a responsabilidade da mídia em denunciar pessoas. Dificilmente alguém se livra da pecha disto ou daquilo que lhe foi atribuída pelos meios de comunicação. O imperialismo da Imprensa é implacável. Condena arbitrariamente, sem provas, sem defesa e sem recursos" (Gilberto de Mello Kujawski, A responsabilidade da Imprensa, "Jornal da Tarde", 26-6-92). Augusto Nunes, atual diretor de redação de "Zero Hora", reconhece: "Nós estamos impunes, podemos dizer o que quisermos. A Imprensa precisa ser disciplinada também por códigos de ética, estes sim elaborados por nós. (...). "O Brasil vai ser melhor quando colocar na cadeia jornalista que comete calúnia ou difamação" (Imprensa, ano 5, No. 41, janeiro de 1991, pag. 26).

* * *

12. Testemunhas anônimas de episódios alheios ao contexto familiar e social do Brasil de hoje

Das diversas acusações lançadas por ZH no presente estrondo publicitário contra a TFP (8), a mais própria a suscitar contra esta última a antipatia e a desconfiança dos leitores é a de que nossa entidade se empenha em abrir uma cunha na estrutura e na vida das famílias, separando destas os jovens que ingressam em suas fileiras.

(8) Deixamos de responder aqui a várias das críticas de menor importância feitas por ZH à TFP.

Com efeito, um dos artifícios dos atiradores inseguros do acerto de sua pontaria consiste no uso de armas que, logo que disparadas, espalham uma chuva de projéteis. Se a pessoa, alvo desse ataque, quisesse opor um anteparo de emergência a cada estilhaço, não o conseguiria. Assim, em uma polêmica na qual o atacante dispara um grande número de acusações simultâneas, quem se defende não tem outro remédio senão selecionar um pequeno punhado de acusações nas quais o atacante deitou principal ênfase, e deixar o resto cair ao solo. Um solo do qual, aliás, nem mereceria ser erguido.

E, no momento em que a borrasca ameaça alastrar-se, desde já prevenimos que só aceitaremos as porfias publicitárias dignas de refutação, pois a TFP tem mais o que fazer, do que consagrar o melhor de seu tempo a contendas desse nível.

Admitida a objetividade dessa acusação, tudo na TFP passaria a assumir um aspecto sinistro, e nela não haveria o que aplaudir sem sérias reservas. Tal é o efeito dos diversos episódios narrados por personagens anônimos - por testemunhas carentes, portanto, de fidedignidade - que ZH cita para desacreditar a TFP (9).

(9) Sobre a validade de testemunhos anônimos, é oportuno reproduzir aqui a judiciosa resposta do imperador Trajano a Plínio, o Moço: "Meu caro Plínio (...) as denúncias anônimas não devem exercer nenhum papel em qualquer acusação, seja qual for; é um procedimento de um detestável exemplo e que já não pertence ao nosso tempo" (900 textos e documentos de História, vol. I, 2a. edição, Plátano Editora, Coimbra, Portugal). O que já no século I o aclamado imperador Trajano considerava anacrônico, ZH, que se jacta de moderna, usa entretanto com surpreendente desinibição.

A própria razão desse anonimato, alegada por ZH, é injuriosa à TFP, e é oposta à evidência dos fatos. Com efeito, algumas das "testemunhas" chegam a se esconder no anonimato para evitar eventuais represálias da entidade. Como se a violência pudesse ser atribuível a uma instituição tão comprovadamente pacífica quanto a nossa, cujos membros, mesmo sob a pressão de calúnias e até de injúrias com que os alvejam não raras vezes os adversários em plena praça pública, sabem entretanto portar-se com serena dignidade sem partir para a agressão física nem qualquer outra forma de violência.

Na realidade, suposto que tais episódios fossem verdadeiros, cumpre notar que o tablóide os menciona isolados do respectivo contexto, isto é, das condições da sociedade contemporânea, na qual estão inseridas todas as famílias (10).

(10) Para avaliar o dramático da situação em que também a instituição familiar se encontra em nosso País, basta mencionar as alarmantes estatísticas sobre a violência doméstica: "segundo estudo feito pela advogada, educadora e psicóloga, Maria Amélia Azevedo, do núcleo de estudos multidisciplinares sobre violência doméstica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 300 mil crianças e adolescentes são vítimas de pais agressores. A psicóloga estima que 6 milhões de meninas (20% do total) e 3,1 milhões de meninos (10 %) são agredidos sexualmente a cada ano no Brasil, em várias situações. 540 mil dessas meninas (9 %) são vítimas dos parentes (tios, avôs e outros), enquanto 300 mil (5 %) estão envolvidas num incesto pai-filha. A psicóloga da USP, que há dez anos estuda a violência doméstica, explica que o incesto não poupa nenhuma classe social: 'ele acontece independentemente de classes, crenças religiosas ou etnias`. Para a criança ou adolescente, a casa deixa de ser um lugar seguro" ("Jornal da Tarde", Violência sexual em casa, de Marinês Campos e Vera Gomes, 29-1-1992, pag. 14).

A constatação de que os estupros incestuosos são comuns aos diversos segmentos sociais foi feita, pela primeira vez nos EUA, num trabalho da psicóloga americana Sandra Butler, publicado em 1978 com o título "A conspiração do silêncio: o trauma do incesto". Neste estudo, a autora constata com amargura: "O incesto é inflexivelmente democrático". E explica: "As vítimas são brancas, pretas, latinas e asiáticas. São de ambos os sexos. Têm 5, 7 e 12 anos de idade, são gordas, magras, feias, bonitas, pobres, ricas e da classe média" (cfr. "Jornal do Brasil", 11-1-87).

Além da violência sexual, há também a violência física. "Nos cinco anos de existência do S.O.S. Menor de São Paulo, foram registrados 42 mil casos de violência doméstica - 9 mil dos quais considerados graves - e 70 óbitos.

"Uma pesquisa preliminar realizada pelo Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP) aponta 249 crianças assassinadas na cidade de São Paulo, de setembro de 90 a agosto de 91. Desses menores, 4,4 % tinham entre 0 e 1 ano de vida, e 39,8 % moravam com suas famílias" (cfr. "Jornal da Tarde", 26-5-92, Vítima de violência em casa", de Maria Lígia Pagenotto).

Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) reunidos no documento Perfil estatístico de crianças e mães no Brasil, mostram que os elevados índices de óbitos por doenças entre crianças e adolescentes convivem com um crescente número de mortes não naturais (...). Os homicídios e suicídios, segundo o documento da ONU, são a principal causa de morte de adolescentes entre 15 e 17 anos nas maiores cidades brasileiras, superando os acidentes de trânsito (cfr. "Jornal do Brasil", 3-4-90, Maioria dos jovens no País morre de causas violentas, por Ricardo Miranda Filho).

Em sentido diverso, mas igualmente nefasto para a instituição familiar, encontra-se a crescente difusão e aceitação na sociedade gaúcha das idéias subversivas de William Reich com relação à família. Escreve o prof. Clóvis Stenzel: "Reich, morto numa penitenciária americana, em 1957, ressuscitou aqui em Porto Alegre. Já tem seus seguidores, arregimentados entre psicólogos jovens, que vêm se reunindo regularmente, sob a direção de um instrutor vindo de São Paulo, semanalmente. A fim de a pretendida cura das neuroses ser mais eficaz, tanto os psicólogos como seus clientes devem abandonar a família, que é considerada por essa falsa doutrina psicológica como a sede das repressões e a fonte das doenças mentais. Guerra à família é o grito dos seguidores dessa escola materialista e anarquista" (cfr. "Jornal do Comércio", Porto Alegre, 16-12-88).

ZH faz inteira abstração de que nossa sociedade se encontra na voragem de uma crise profunda, que arrastou a uma miséria e a uma desordem quase inimagináveis o Oriente Europeu, e esteve mais de uma vez a pique de fazer o mesmo com a Ibero-América.

 

I - A crise religiosa e moral da sociedade é a grande causa das tensões entre pais e filhos

1. João Paulo II aponta "influxo negativo da mídia" na crise da família no Brasil

Os princípios básicos da moral cristã, e portanto da civilização que floresceu à luz dessa moral, se encontram negados, transgredidos e vilipendiados miseravelmente. Di-lo João Paulo II, no tocante a nosso País nestas palavras ao mesmo tempo tristes e memoráveis:

"O que sobre a evolução da família no Brasil se conhece, quer através de estudos científicos sobre a matéria, a partir das informações contidas em seus planos e relatórios pastorais e nos boletins das Assembléias Gerais da CNBB, quer pelas notícias dos meios de comunicação social, indica uma crise que não se deve minimizar.

"Parece certo que também em suas comunidades, a família, profundamente atingida pelos diversos aspectos da revolução social, não consegue mais ser - como o desejava a Conferência de Medellin (1968) - formadora de pessoas e evangelizadora.

"Se eu tivesse que mencionar, embora sucintamente, alguns graves problemas que ameaçam a família brasileira, citaria, em primeiro lugar, a extrema fragilidade dos casamentos, de que resultam as inumeráveis separações dos casais, em todos os ambientes sociais, em todas as idades e em todos os níveis de cultura. O influxo negativo da mídia, invadida por programas que não só ridicularizam valores familiares como a unidade, a fidelidade e a perenidade do casamento, chegando até a preconizar o contrário; a tendência moderna à instabilidade e a não assumir nada de definitivo; e uma legislação relativa ao divórcio, considerada muito permissiva infelizmente. Ora, tudo isto conduz a uma dissolução das famílias, que constitui algo de inquietante, para os Senhores um verdadeiro desafio pastoral" (João Paulo II, discurso do dia 9-6-90 aos Bispos brasileiros da Região Leste, em visita ad limina apostolorum, "Osservatore Romano", 10-6-1990, p. 205).

2. Conflito da mentalidade moderna com a doutrina da Igreja sobre moral sexual

Como se vê, uma vez que esta crise é de toda a sociedade e que, por sua vez, a sociedade é um tecido composto de famílias, ela é ipso facto a crise de incontáveis famílias. Daí ser inevitável que, numa típica família moderna, havendo um membro que queira ser fiel aos princípios perenes da Doutrina Católica, surjam desacordos quanto à atitude a tomar diante de circunstâncias em que as inovações da modernidade são mais características e ousadas.

Antes de tudo, a Doutrina Católica prega para os jovens de ambos os sexos a observância da castidade, que devem guardar até o momento de receberem o Sacramento do Matrimônio (11).

(11) Com efeito, pode-se ler na Declaração sobre alguns pontos de Ética Sexual, da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, de 29 de dezembro de 1975:

"São numerosos aqueles que em nossos dias reivindicam o direito à união sexual antes do matrimônio, pelo menos naqueles casos em que uma intenção firme de o contrair e uma afeição de algum modo já conjugal existente na psicologia de ambas as pessoas demandam esse complemento que elas reputam conatural; isso, principalmente, quando a celebração do matrimônio se acha impedida pelas circunstâncias e essa relação íntima se afigura necessária para que o amor seja conservado.

"Uma tal opinião opõe-se à doutrina cristã, segundo a qual é no contexto do matrimônio que se deve situar todo o ato genital do homem. Com efeito, seja qual for o grau de firmeza de propósitos daqueles que se entregam a estas relações prematuras, permanece o fato de tais relações não permitirem garantir na sua sinceridade e na sua fidelidade a relação interpessoal de um homem e de uma mulher, e principalmente o fato de os não protegerem contra as veleidades e caprichos das paixões.

"Na verdade, é uma união estável aquela que Jesus quis e da qual Ele restabeleceu as primigênias exigências, tendo como ponto de partida as diferenças sexuais. (...).

"A união carnal (...) não é legítima se entre o homem e a mulher não se tiver instaurado, primeiro e de maneira definitiva, uma comunidade de vida.

"Foi isto o que a Igreja sempre entendeu e ensinou (Cf.: Inocêncio IV, Ep. Sub catholicae professione, de 6 de março de 1254: DS 835; Pio II, Propos. damn. in Ep. Cum sicut accepimus, de 14 de novembro de 1459; DS 1367; Decretos do Santo Ofício, de 24 de setembro de 1665: DS 2045; de 2 de março de 1679: DS 2148; Pio XI, Enc. Casti Connubii: AAS 22, 1930, pp. 558-559), encontrando também na reflexão ponderada dos homens e nas lições da História uma concordância profunda com a sua doutrina. (...).

"O consenso que se dão mutuamente as pessoas que desejam unir-se em matrimônio (...) deve ser manifestado exteriormente e de uma forma que o torne válido perante a sociedade. E quanto aos fiéis, é segundo as leis da Igreja que deve ser expresso o seu consentimento para a instauração de uma comunidade de vida conjugal, consentimento que fará do seu matrimônio um Sacramento de Cristo" (Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração sobre alguns pontos de Ética Sexual, Vozes, Petrópolis, 1976, 2a. ed., pp. 8 a 10).

Mas o espírito de nosso tempo tem a castidade por inútil, intrinsecamente dificílima ou até impossível de ser observada, e mesmo incompatível com a louçania inerente à juventude.

Uma vez contraído o casamento, a Doutrina Católica prega aos esposos que mantenham recíproca e inviolável fidelidade. Em sentido oposto, nossa época - na qual, segundo muitos, quase já não há virgens - rejeita tal fidelidade, e muito poucas são as nações que não tenham introduzido o divórcio em sua legislação. Como se isto não bastasse, as leis pró-divórcio vão sendo gradualmente reformadas de maneira a ampliar cada vez mais o número de casos que o "justifiquem" e a facilitar pari passu o processo mediante o qual ele se obtém. Esta caminhada conduz a sociedade ocidental a adotar o mesmo tipo de "família" preconizado pelo comunismo. Ou seja, a implantar o amor livre.

Nessas condições, todas as medidas preceituadas pela moral católica para que o fiel evite as ocasiões de pecado contra a pureza parecem ridículas, tacanhas e odiosas aos olhos de muitos dos pais que se pretendem "atualizados" (12).

(12) Para informação do leitor, publicamos aqui algumas das queixas dos pais sobre o procedimento de filhos determinados a "obedecer a Deus, [antes] do que aos homens" (Act. 5, 29) em matéria moral:

* "Seu José confessa sua inconformidade com a vida celibatária de Sérgio. `Não aceito que um menino cheio de saúde não tenha interesse por mulher', diz com visível constrangimento" (ZH, 28-1-93, p. 42).

* "O pai notou que o filho modificou então seu comportamento. Não namorava mais, tinha de dormir com pijama fechado até o pescoço, parou de ouvir rádio e assistir à televisão" (ZH, 28-1-93, p. 43).

* "No começo o rapaz implicava com as roupas da mãe, dizendo que ela não deveria mais usar calças compridas ou bermudas. Deixou de assistir à televisão e evitava qualquer contato com as meninas de sua idade" (ZH, 30-1-93, p. 36).

* "Mas as atitudes estranhas aos parentes não ficam só nisso. Enquanto os outros assistiam à televisão, Sérgio ficava de costas para a tela" (ZH, 28-1-93, p. 43).

Será impossível evitar atritos entre pais imbuídos dessa mentalidade e filhos desejosos de seguir em tudo os ensinamentos da moral católica sobre a castidade. Como não dar razão a estes últimos?

3. A influência nefasta da televisão – Articula-se a reação

A crise da sociedade hodierna gera, assim, tensões repetidas a quase todos instantes no seio de incontáveis famílias. E isto se dá freqüentemente por obra da televisão (13).

(13) A influência deletéria da televisão em nossos dias é análoga à do cinema, sobre cujos males alertava Pio XI:

"Esta é a causa principal do fascínio exercido por essas representações sobre a infância, a adolescência e a juventude; de modo que justamente na idade em que nasce e deve tomar forma o senso de honestidade, em que os princípios de justiça e probidade se desenvolvem no espírito, quando emerge a noção do dever e surgem as melhores resoluções de perfeição de vida, é então que o cinema exerce sua influência e consegue sua maior eficácia. E, ó dor!, em nossos dias tal eficácia, com extrema freqüência, é perniciosa e nos traz à memória, ao contemplar tão grande ruína para as crianças e sobretudo para os jovens, cuja integridade e castidade correm perigo nas salas de espetáculos, aquela duríssima sentença de Jesus Cristo contra os corruptores de menores: a quem escandalizar, porém, a um destes pequeninos que crêem em mim, seria melhor pendurar-lhe no pescoço uma pedra de moinho, e submergi-lo no fundo do mar (Mt. 18, 6).

"Hoje em dia é de necessidade imperiosa trabalhar com o maior empenho para que tais espetáculos não sejam escolas de vício, mas contribuam eficazmente para a educação dos homens e para elevar o nível dos costumes" (Pio XI, Encíclica Vigilanti Cura, de 15-7-1936, nº 12).

O que diria Pio XI da moderna televisão? Com que palavras de fogo a verberaria? Como qualificaria o procedimento de pais que obrigam seus filhos a se expor a todos os riscos da televisão? Suas palavras, que são as do próprio Jesus Cristo, ainda ecoam em nosso espírito: "a quem escandalizar, porém, a um destes pequeninos que crêem em mim, seria melhor pendurar-lhe no pescoço uma pedra de moinho, e submergi-lo no fundo do mar" (Mt. 18, 6).

É por esta razão que ponderáveis parcelas da sociedade contemporânea se erguem, indignadas, contra as cenas de desenfreado despudor e de violência selvagem apresentadas pelos vídeos. Tais parcelas tendem a organizar-se em vastos blocos atuantes e enérgicos, que exigem da televisão, como do rádio, uma urgente reforma moral. Por exemplo, na França, a associação Avenir de la Culture conta com mais de 200.000 aderentes. E, no Brasil, a bem mais recente associação O Amanhã de nossos filhos (ANF) já conta com mais de 24 mil aderentes em cerca de 2 mil cidades.

Em nosso País, estas vozes estão longe de serem isoladas: 90 Arcebispos e Bispos, e mais de 1.000 sacerdotes, religiosas e religiosos escreveram ao ANF manifestando-lhe seu apoio, bem como sua indignação contra as apresentações altamente reprováveis da TV e do rádio (14).

(14) Entre essas vozes discordantes, é de se notar a do Cardeal-Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, D. Lucas Moreira Neves, que recentemente publicou verdadeiro libelo acusatório - "J'accuse!" - contra os desmandos da televisão brasileira, do qual extraímos os seguintes textos:

"O meu J'accuse é assestado contra a televisão brasileira. (...) Acuso-a de descumprir sistematicamente as funções em vista das quais obteve do governo uma concessão: informar, educar, cultivar, formar a consciência e divertir. (...) Com raras e louváveis exceções, a TV brasileira não só não educa mas, com requintes de perversidade, deseduca. Abusando dos seus recursos técnicos, do seu poder de persuasão e de penetração nos lares do País inteiro, ela destrói o que outras instâncias pedagógicas e educativas, a duras penas, procuram construir. (...)

"Acuso a televisão do nosso país de estar utilizando aparelhagens e equipamentos sofisticados com o objetivo de imbecilizar [o grifo é do original] faixas inteiras da população. Uma geração de debilóides. (...).

"Acuso a TV brasileira de ser demolidora dos mais autênticos e inalienáveis valores morais, sejam eles pessoais ou sociais, familiares, éticos, religiosos e espirituais. Demolidora porque não somente zomba deles, mas os dissolve na consciência do telespectador e propõe, em seu lugar, os piores contravalores. Neste sentido, é assustadora a empresa de demolição da família e dos mais altos valores familiares - amor, fidelidade, respeito mútuo, renúncia, dom de si - realizada quotidianamente, sobretudo pelas telenovelas. Em lugar disso, o deboche e a dissolução, o adultério, o incesto.

"Acuso a TV brasileira de ser corruptora de menores, em virtude de programas da mais baixa categoria moral pelas cenas e pelo palavreado, em horários em que crianças estão diante da caixa mágica. Acuso-a de atentar contra o que há de mais sagrado, como seja, a vida. (...).

"Acuso-a de disseminar, em programas vários, idéias, crenças, práticas e ritos ligados a cultos os mais estranhos. Ela se torna, deste modo, veículo para difusão de magia, inclusive magia negra, satanismo, rituais nocivos ao equilíbrio psíquico.

"Acuso a TV brasileira de destilar em sua programação e instilar nos telespectadores, inclusive jovens e adolescentes, uma concepção totalmente aética da vida: triunfo da esperteza, do furto, do ganho fácil, do estelionato" (Dom Lucas Moreira Neves, J'Accuse!, "Jornal do Brasil", 13-1-93, pag. 11).

Não pode causar surpresa, pois, que no ambiente da TFP se pense nesta matéria exatamente do mesmo modo que tantos prelados e leigos católicos (15).

(15) Assim se exprime o Pontifício Conselho Para as Comunicações Sociais: "Ninguém pode considerar-se imune aos efeitos degradantes da pornografia e da violência, ou a salvo da erosão causada pelos que atuam sob sua [dos meios de comunicação social] influência. As crianças e os jovens são especialmente vulneráveis e expostos a serem vítimas. A pornografia e a violência sádica depreciam a sexualidade, pervertem as relações humanas, exploram os indivíduos - especialmente as mulheres e as crianças -, destroem o matrimônio e a família, inspiram atitudes anti-sociais e debilitam a fibra moral da sociedade." (Pontifício Conselho Para as Comunicações Sociais, Pornografia e violência nas comunicações sociais, n. 10 Cidade do Vaticano, 7-5-1989, in Documentos Pontifícios nº 228, Vozes, Petrópolis, 1989, p. 8).

Se ingressa na TFP um jovem que não teve a ventura de receber de seus pais esses princípios salutares, ele se encontrará diante de uma opção igual à de muitos outros católicos que também não receberam esses princípios em suas casas nem quiçá junto aos sacerdotes que lhes modelaram a alma. Ou que os receberam enunciados com formulações frouxas e ambíguas (16).

(16) Sobre tal aspecto, afirma o Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais: "Convidam-se os pais para que multipliquem seus esforços em ordem a uma completa formação moral das crianças e dos jovens. Isso supõe uma educação em favor de uma sadia atitude frente à sexualidade humana, baseada no respeito à dignidade da pessoa como filha de Deus, na virtude da castidade e na prática da autodisciplina. Uma vida familiar equilibrada, na qual os pais sejam fiéis praticantes e totalmente entregues um ao outro e aos seus filhos, constituirá a escola ideal de formação para os sadios valores morais.

"As crianças e os jovens do nosso tempo necessitam da educação que lhes permita discernir os programas e amadurecer a sua condição de usuários responsáveis da comunicação. O exemplo dos pais é determinante nesta matéria. A passividade ou auto-indulgência diante de certos programas será fonte de malentendidos prejudiciais para a juventude" (op. cit., n. 24).

Diante da crise da sociedade civil, crise que afeta também tragicamente a Igreja (17), duas vias se apresentam à escolha do jovem de hoje.

(17) O Papa Paulo VI aludiu a essa trágica crise na Igreja em termos eloqüentes: "A Igreja atravessa hoje um momento de inquietação. Alguns se exercitam na autocrítica, dir-se-ia até na autodemolição. É como um revolvimento interior agudo e complexo que ninguém esperaria após o Concílio (...) A Igreja é golpeada também por aqueles que dela fazem parte" (discurso ao Pontifício Seminário Lombardo, 7-12-68, Insegnamenti di Paolo VI, Typografia Poliglotta Vaticana, 1968, Vol. VI, pag. 1188).

"Referindo-se à situação da Igreja de hoje, o Santo Padre afirma ter a sensação de que 'por alguma fissura penetrou a fumaça de Satanás no templo de Deus'" (Homília Resistite Fortes in Fide, 29-6-72, Insegnamenti di Paolo VI, Typografia Poliglotta Vaticana, 1972, Vol. X, pag. 707).

É vasta a bibliografia sobre este tema. Veja-se especialmente: Vittorio Messori a coloquio con il cardinale Joseph Ratzinger, Rapporto sulla fede, Edizioni Paoline, Milano, 1985, 218 pp.; Romano Amerio, Iota unum - Studio delle variazioni della Chiesa Cattolica nel secolo XX, Riccardo Ricciardi Editore, Milão-Nápoles, 1985, 656 pp., Dietrich Von Hildebrand, Le cheval de Troie dans la cité de Dieu, Beauchesne, Paris, 1970, 239 pp.; Dr. Rudolf Graber, Bispo de Regensburg, Athanasius und die Kirche unserer Zeit, Verlag Joseph Habbel, Regensburg, 1973, 247 pp.; Anton Holzer, Vatikanm II - Reformkonzil oder Konstituante einer neuen Kirche, Saka, Basel, 1977, 352 pp.

Com efeito, muitos são os católicos que pretendem que o Concílio Vaticano II optou inteiramente, ou pelo menos em pontos fundamentais de moral, pelo catolicismo à moderna (18).

(18) Não é raro que pais de cooperadores da TFP não compreendam a castidade, nem o celibato praticado por seus filhos. Parece-lhes estranha essa conduta, dissonante dos hábitos da avassaladora maioria dos jovens modernos, e temem que a castidade seja causa - ou, conforme o caso, efeito - de alguma deformação física ou psíquica deles. Tendo em vista elucidar a tal respeito esses pais, e para não tornar por demais longo o presente documento, limitamo-nos a transcrever, sem comentários, textos extraídos de obras de renomados Moralistas, confirmando a doutrina tradicional da Igreja sobre a castidade.

Começamos pelo Dizionario di Teologia Morale, publicado sob a direção do Cardeal Francesco Roberti, com a colaboração do então Arcebispo, hoje Cardeal Pietro Palazzini. A 4ª edição, aqui citada, de tal Dizionario foi revista à luz do Concílio Vaticano II, tornando patente quão equivocado se encontra quem julgue que, após tal Concílio, caíram em desuso diferentes aspectos do ensinamento tradicional da Doutrina Católica sobre questões morais de fundo religioso. (Os subtítulos são nossos)

A experiência sexual pré-matrimonial é fonte de graves conseqüências para a saúde:

"A iniciação sexual pré-matrimonial - escreve, no mencionado Dizionario, o Professor Carlo Rizzo, então livre-docente de Clínica de enfermidades nervosas e mentais na Universidade de Roma - não encontra nenhuma justificação moral. Sua condenação, também do ponto de vista estritamente médico, provém da consideração de que a iniciação sexual, na prática, é freqüentemente fonte de enfermidades venéreas, com graves conseqüências para a saúde individual e a da prole, assim como de vida dissoluta, de abortos, de infanticídios e de outros gravíssimos delitos.

"A medicina, por esta mesma razão, não pode deixar de se associar à Igreja, a qual sempre insistiu, e em especial através da augusta palavra dos últimos Sumos Pontífices, sobre o valor ético-religioso e a conveniência inclusive higiênico-biológica da castidade pré-matrimonial (AAS 22, 1930, 558 ss.; Discorso alle ostetrici, 29-10-1951: AAS 43, 1951, 835 ss). Saibam os jovens e as jovens que o chegar às núpcias puros de corpo e de coração não só é uma nobre expressão de elevada consciência moral e de virtude cristã, como também a melhor garantia para uma vida matrimonial feliz e para uma prole sã, posto que a castidade é o verdadeiro fundamento eugênico pré-matrimonial."

A castidade preserva o homem da tirania da concupiscência:

"Se bem que na hierarquia das virtudes a castidade ocupe um grau inferior a muitas outras, na prática muito justamente é-lhe atribuída uma função preponderante na vida cristã; porque é esta virtude que preserva o homem da tirania da concupiscência, a qual, pela veemência de suas paixões, pode produzir notáveis distúrbios nas funções morais das faculdades superiores (inteligência e vontade), criando, com os defeitos e vícios que daí seguem, grande dificuldade e muitas vezes a impossibilidade de uma vida virtuosa conformada à caridade (Suma Teológica, II-II, q. 153, art. 5)."

Vantagens da castidade tanto para o indivíduo como para a sociedade em geral:

"A castidade aperfeiçoa o homem individualmente e é útil à sociedade não apenas indiretamente, enquanto perfeição individual que se reflete sobre a vida social, mas também diretamente, pois regula a procriação, que é um bem de todo o gênero humano. Ela faz isto: a) de modo negativo, ao limitar o ato sexual às únicas circunstâncias que, segundo a reta razão, tornam possível uma adequada educação (matrimônio); b) de modo positivo, contribuindo para o incremento do gênero humano ao não permitir o ato sexual completo também no matrimônio, se não for realizado no modo adequado à geração."

Especialmente devido aos costumes modernos, a fuga das ocasiões, bailes, praias, piscinas é o pressuposto para conservar a castidade:

"Os meios e as armas para conservar a pureza podem-se resumir genericamente em duas palavras-programa: fuga (= vigiar) e agir (= oração e luta).

"A fuga das ocasiões e do perigo é o pressuposto para que se possa cultivar o pudor e a modéstia, último baluarte da castidade. (...).

"As diversões não devem, nem por sua natureza nem pelas circunstâncias, ofender de qualquer forma (...) normas morais (de religião, de pureza, de honestidade, de caridade etc.), ou seja, não devem dar ocasião a pecados próprios ou de outros por causa de escândalo. (...).

"O baile não é, de si, um ato ilícito: é uma expressão elegante de alegria, que consiste, especialmente nas danças modernas, em um gozo dos próprios movimentos rítmicos suscitados e conduzidos pela música. Entretanto, em toda a história do Cristianismo, desde os antigos Padres até hoje, as admoestações contra o baile têm sido inumeráveis, porque as circunstâncias desta espécie de diversão, sobretudo a aproximação dos sexos, trazem consigo perigos graves para a moralidade. (...).

"A questão se agrava com as danças mais modernas, que por sua própria natureza e configuração (às vezes quase expressões de comoções e atos sexuais) parecem quase inventadas para provocar o pecado. (...).

"Na prática, feita abstração de qualquer outro perigo imediato de pecado ou de comoção sexual, o hábito freqüente do baile é fortemente reprovável, especialmente o do tipo mais moderno, porque exerce uma influência deletéria sobre a saúde moral (promove uma enorme liberdade de costumes) e psíquica (arruina os nervos e às vezes perturba o equilíbrio mental). (...).

"Os banhos em comum (...) se são entre pessoas de sexo diferente, dificilmente (especialmente hoje em dia) estão isentos do perigo de pecado, sendo, portanto, ilícitos. O excesso de liberdade, comum em tais banhos, constitui um forte incentivo ao mal. Tampouco se pode crer que o perigo diminua com o hábito, conforme o axioma ab assuetis nulla fit passio, posto que no homem, especialmente nos jovens, o contínuo ver, mesmo que proximamente não suscite os baixos estímulos do mal, debilita todavia o pudor natural e faz com que a pessoa se permita facilmente qualquer leviandade. Portanto, as paixões não diminuem, pelo contrário aumentam, especialmente nas praias, piscinas etc., onde ao relaxamento físico se acrescenta o do espírito" (Francesco Roberti - Pietro Palazzini, Dizionario di Teologia Morale, Ed. Studium, Roma, 4ª ed., 1968, pp. 180, 181, 183, 257, 258, 265, 548, 827 / Imprimatur: Sac. Marius Iacovelli, Vic. Gen., Tibure, 25-2-1968).

Esse o ensinamento constante da Igreja sobre a matéria, repetido por todos os Moralistas. Seguem mais alguns exemplos:

1. Frei Antonio Royo Marín, OP:

"Não se pode tolerar qualquer traje de banho que, postas as circunstâncias do ambiente ou da pessoa que o usa, seja gravemente provocativo para os demais. (...) Uma pessoa de boa consciência não freqüentará jamais uma piscina mista". (...).

"Os espetáculos, em geral .... são hoje um dos principais focos de corrupção das almas e de excitamento das paixões do povo. (...).

"São gravemente escandalosos os espetáculos em que se representam coisas notavelmente obscenas, ou nos quais aparecem pessoas meio despidas, ou se dizem coisas altamente provocadoras, piadas ou canções indecentes, etc., ou se ridicularizam os bons costumes, ou se preconiza o vício e a imoralidade. Tais são a maior parte dos teatros de revista, muitos espetáculos de variedades, os filmes ou peças teatrais qualificadas de perigosas pela censura eclesiástica, muitas emissões de rádio e televisão e outras semelhantes. (...).

"Pecam gravemente os que assistem a eles sabendo de sua imoralidade ou perigo. Se animam outros a fazer o mesmo, são réus de grave escândalo" (A. Royo Marín, OP, Teología Moral para Seglares, BAC, Madrid, 1964, 3ª ed., pp. 414-415).

2. Pe. Antonio Peinador, CMF:

"Não devem ser escusados de pecado grave as pessoas de diferente sexo que mutuamente se olham, conversam, passeiam, etc., quase nuas, nos balneários públicos, com trajes sumaríssimos que cobrem apenas as partes genitais dos homens ou das mulheres e os seios destas últimas. Embora não se procurem movidos por má intenção, entretanto o convívio demorado será necessariamente gravemente excitante. Ademais, quem assim se expõe à contemplação pública, comete pecado de grave escândalo" (Antonio Peinador, CMF, Cursus Brevior Theologiae Moralis, COCULSA, Madrid, 1956, t. III, p. 596).

3. Arcebispo Antonio Lanza - cardeal Pietro Palazzini:

"Estimamos que não nos devemos inclinar com excessiva facilidade a pensar que os costumes e o ambiente possam purificar completamente e tornar inócuos certos usos que se acham em contraste com o pudor da maneira como este é entendido pela moral cristã. Nos referimos em particular ao banho misto nas praias, e mais ainda, nas piscinas públicas; se se pensa que a introdução do uso do banho promíscuo vem acompanhada quase sempre por um nudismo mais atrevido, não será difícil dar razão à consideração que acabamos de fazer" (A. Lanza - P. Palazzini, Principios de Teología Moral, Rialp, Madrid, 1958, p. 210).

4. Pe. Celestino Testore, SJ:

"O perigo para as almas, devido à promiscuidade e excessiva liberdade das praias modernas, torna-se considerável. A Igreja não pode pois, impedir-se de intervir no por em guarda os fiéis e no exigir determinados trajes que salvem o pudor e o decoro" (Celestino Testore, Bagno, in Enciclopedia Cattolica, Città del Vaticano, vol. II, 1949, col. 688).

5. Pe. Marcelino Zalba, SJ:

"O que se disse a respeito dos olhares torpes vale também para os banhos públicos de mar, rios e piscinas. Estes são lícitos em si, contando que sempre se evite aquilo que cria um perigo próximo de pecado: a exigüidade dos trajes em balneários mistos e a promiscuidade fora d'água. A mesma norma se aplica à ginástica feita com o corpo despido ou quase, diante de pessoas do outro sexo" (Theologiae Moralis Compendium, t. I, p. 700).

6. O Novo Catecismo da Igreja Católica promulgado pelo Papa João Paulo II, por meio da Constituição Apostólica Fidei depositum, de 11 de outubro de 1992, confirma uma vez mais esse ensinamento constante e imutável:

"Todo batizado está chamado à castidade. O cristão está revestido de Cristo (Gálatas, 3, 27), modelo de toda castidade. Todos os fiéis de Cristo são chamados a levar uma vida casta segundo seu estado de vida particular. No momento de seu Batismo, o cristão se engajou a conduzir sua afetividade na castidade" (Catéchisme de L'Église Catholique, Mame/Librerie Editrice Vaticane, 1992, n. 2348, p. 478).

"O pudor protesta, por exemplo, contra as explorações voyeuristes (exibicionismo sexual) do corpo humano em certas publicidades, ou contra a solicitação de certa mídia de ir muito longe na revelação das confidências íntimas. O pudor inspira um modo de viver que permite resistir às solicitações da moda e à pressão das ideologias dominantes" (idem, n. 2523, p. 509).

"A pureza cristã pede uma purificação do clima social. Ele exige dos meios de comunicação social uma informação cuidadosa do respeito e da dignidade. A pureza do coração livra (o homem) do erotismo difuso e o afasta dos espetáculos que favorecem o voyeurisme (exibicionismo sexual) e a ilusão" (idem, n. 2525, p. 509).

"Aquilo que é chamado permissividade dos costumes repousa em uma concepção errada da liberdade humana; para se edificar, esta última tem necessidade de se deixar educar previamente pela lei moral" (idem, n. 2526, p. 509).

Muitos jovens são impelidos a aceitar essa interpretação e a seguir a via dessa "modernidade".

De outro lado, o jovem que, apoiado pela graça, opta pelo ensino imutável da Igreja e pela Tradição moral da Civilização Cristã, fica exposto a ser tachado em casa de rebelde ao Concílio, quase de herege, ao mesmo tempo que de rebelde à autoridade paterna. E encontra em ZH, como em tantos órgãos da mídia, porta-vozes de uma suposta indignação geral contra as "rebeldias" dele.

Em tal situação, a obrigação dos menores de idade consiste em procurar persuadir cordialmente os pais do direito que lhes assiste de optar pela fidelidade à posição religiosa e moral tradicional.

Caso não o consigam, e os pais lhes proíbam que freqüentem a TFP, podem externar com filial e inteira liberdade toda a felicidade espiritual da qual, com tal posição, os privam seus progenitores. Porém, devem obedecer-lhes com ânimo submisso e respeitoso.

Sem embargo, em nenhum caso devem consentir em freqüentar companhias e ambientes que os ponham em risco próximo de pecado mortal, e, a fortiori, devem recusar-se absolutamente a qualquer ato pecaminoso. É essa uma exigência da Lei de Deus.

ZH insiste sobretudo no respeito idolátrico que o jovem deve à autoridade paterna: se o jovem é menor de idade, ele teria o dever de obedecer aos pais, ainda quando estes lhe ordenem a frequentação a praias de estações balneárias, a piscinas mistas. E para reforçar essa tese evidentemente recusável, ZH pensa ganhar os louros da vitória, citando um acordo do Brasil com a ONU segundo o qual cabe aos pais a palavra decisiva em matéria de formação religiosa do filho menor. Como se fosse um ser do reino animal, privado de inteligência e de vontade próprias, o filho menor deveria seguir os pais em matéria religiosa... ainda que seja para ir ao inferno! (19).

(19) Com efeito, lê-se na ZH de 29-1-93, p. 50:

"A desagregação familiar provocada pela TFP viola os direitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente, acusa o conselheiro do Movimento de Justiça e Direitos Humanos (MJDH), Jair Krishke. Além dos artigos 17, 70 e 71 do Estatuto, ele cita ainda a Convenção dos Direitos da Criança feita pela Organização das Nações Unidas, em 1989, assinada pelo Brasil. O artigo 14 da Convenção diz que a liberdade de pensamento, consciência e religiosa está sujeita às diretrizes paternas e à legislação nacional. 'O Estatuto dá todos os poderes ao Ministério Público para requisitar segurança para os menores e os familiares que denunciarem`, acrescenta Krishke".

A julgar que não tenha havido lapso de transcrição de ZH, a interpretação que é dada ao artigo 14 da acima referida Convenção entra em choque frontal com o ensinamento tradicional da Igreja Católica, Apostólica, Romana a respeito da matéria, segundo o qual o poder dos pais não é nem absoluto nem despótico, mas está subordinado à lei natural e divina, bem como ao Magistério eclesiástico.

Em sentido contrário ao despotismo que ZH se faz arauto nessa matéria, eis o que reza o Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei brasileira promulgada em 13 de julho de 1990:

"Art. 15 - A criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis.

"Art. 16 - O direito à liberdade compreende os seguintes aspectos:

"I - ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços comunitários, ressalvadas as restrições legais;

"II - opinião e expressão;

"III - crença e culto religioso;

"IV - brincar, praticar esportes e divertir-se;

"V - participar da vida familiar e comunitária, sem discriminação;

"VI - participar da vida política, na forma da lei;

"VII - buscar refúgio, auxílio e orientação.

"Art. 17 - O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais."

O Papa Pio XI, em sua encíclica Divini Illius Magistri, de 31-12-1929, afirma: "O homem, antes de ser cidadão, deve primeiro existir, e a existência não a recebe do Estado mas dos pais, como sabiamente declara Leão XIII: 'os filhos são alguma coisa do pai e como que uma extensão da pessoa paterna: e se quisermos falar com rigor, não por si mesmos, mas mediante a comunidade doméstica, no seio da qual foram gerados, começam eles a fazer parte da sociedade civil` (Rerum Novarum, nº 20). Portanto: 'o poder dos pais é de tal natureza que não pode ser nem suprimido nem absorvido pelo Estado, porque tem o mesmo princípio comum com a mesma vida dos homens` (Rerum Novarum, nº 21), diz na mesma encíclica Leão XIII.

"Do que, porém, não se segue que o direito educativo dos pais seja absoluto ou despótico, pois que está inseparavelmente subordinado ao fim último e à lei natural e divina, como declara o mesmo Leão XIII noutra memorável Encíclica 'sobre os principais deveres dos cidadãos cristãos`, onde assim expõe em síntese a súmula dos direitos e deveres dos pais: 'Por natureza os pais têm direito à formação dos filhos, com esta obrigação a mais, que a educação e instrução da criança esteja em harmonia com o fim em virtude do qual, por benefício de Deus, tiveram prole. Devem portanto os pais esforçar-se e trabalhar energicamente por impedir qualquer atentado nesta matéria, e assegurar de um modo absoluto que lhes fique o poder de educar cristãmente os filhos, como é da sua obrigação, e principalmente o poder de negá-los àquelas escolas em que há o perigo de beberem o triste veneno da impiedade` (Encíclica Sapientiae Christianae)" (Documentos Pontifícios, nº 7, Vozes, Petrópolis, 1956, pp. 14-15).

O insigne Doutor da Igreja e Fundador dos Redentoristas Santo Afonso Maria de Ligório ensina em suas Obras Ascéticas:

"É preciso notar a última palavra do texto de São Paulo: 'Obedite parentibus vestris in Domino` (Obedecei a vossos pais no Senhor). Significa que se deve obedecer nas coisas que agradam a Deus - 'in Domino` - e não naquelas que Lhe desagradam. Se, por exemplo, a mãe ordenasse ao filho que roubasse ou batesse em alguém, seria ele obrigado a obedecer? Não, sem dúvida, e se obedecesse pecaria.

"Do mesmo modo, na escolha de um estado de vida, seja o casamento, seja o celibato, seja o estado eclesiástico, seja o estado religioso, como ensinam os doutores com São Tomás (II-II, q. 104, a.5), não se é obrigado a obedecer aos pais" (Oeuvres Ascétiques, Casterman, Tournai, 1877, 2ª ed., t. XVI, pp. 470-471 / Imprimatur: J.-B. Ponceau, Vic. Gen., 25-3-1875).

Este é o espírito ditatorial com que ZH, tratando como ídolos o pai e o Estado, julga-se no direito de os instrumentalizar de maneira a exigir que o filho menor abandone a TFP para o expresso fim de que ingresse nas vias da modernidade neopagã.

Se não o fizer, tem diante de si, entre outras perspectivas impostas pelo pai ou pelo Poder Público, o sujeitar-se aos interrogatórios e o resignar-se a fazer as confidências sem fim que lhe exija algum psiquiatra, tantas e tantas vezes freudiano. Papai quer, mamãe quer, a lei manda. Diante desses ukazes, até no mais íntimo da consciência os pobres filhos têm que obedecer. É o liberalismo...

4. Pais e mães opostos ao ditatorialismo paterno

Desde há muito, conta a TFP com um número considerável de famílias, que inscreveram com entusiasmo seus filhos na entidade, e apoiam calorosamente a dedicação deles aos ideais que ela lhes aponta. Nos últimos anos, graças a Deus, o número dessas famílias tem crescido substancialmente.

Além destas, há pais e mães que, não tanto por simpatia ideológica para com a TFP, mas por verem nesta um poderoso fator de preservação moral dos filhos - em nossa época em que a imoralidade, as drogas e a criminalidade se vão alastrando impunes entre jovens e adolescentes -, vêem com bons olhos a participação deles na entidade. E dão todo o apoio a que eles freqüentem as sedes da Sociedade ou até nelas habitem. Assim, a TFP brasileira possui 864 documentos de apoio de pais e mães de sócios ou cooperadores, elogiando a formação dada pela TFP a seus filhos, ou se solidarizando com ela por ocasião de investidas publicitárias de que foi alvo.

Não há, portanto, uma pretensa "luta de classes" entre os pais de sócios e cooperadores da TFP de um lado, e estes últimos do outro, mas conta a entidade com o apoio e a gratidão de muitos progenitores. 

II - Aliciamento

1. O recrutamento da TFP: um maquiavélico processo de "aliciamento" de adolescentes?

"Zero Hora" descreve o sistema de recrutamento de novos aderentes da TFP como um processo de "aliciamento": "A técnica de aliciamento é antiga. José Antonio Pedriali, ex-teefepista convicto, já descrevia no livro GUERREIROS DA VIRGEM (EMW Editores) (20) os locais preferidos: na sala de aula, em portas de igrejas e até dentro dos ônibus. Como naquela época, descrições feitas por ex-integrantes (21), hoje confirmam a forma de abordagem" (ZH, 28-1-93, p. 41).

(20) ZH refere-se com desembaraço a esse livro. Entretanto não faz nenhuma citação e nem sequer a mais modesta alusão, à réplica da TFP a tal trabalho: Guerreiros da Virgem - A Réplica da Autenticidade, A TFP sem segredos (Plinio Corrêa de Oliveira, Editora Vera Cruz, 1985, pp. 349). Essa a "imparcialidade" do agitado tablóide.

(21) Depoimentos desfavoráveis de egressos: de que valem como prova? - Que valor tem, em casos como esse, o depoimento difamatório de um egresso? Se é verdade que, de um lado, este presta o testemunho de sua experiência, ele é levado, de outro lado, a fazer a crítica dessa experiência à vista das razões pelas quais se afastou da entidade, a ponto de se transformar em adversário dela. O que torna seu testemunho, a priori, suspeito de parcialidade.

Depoimentos de egressos - sobretudo quando são vários e não apresentam contradições de fundo entre si - podem, sem dúvida, ser tomados em consideração, mas não podem ser aceitos como suficientes e indiscutíveis. É o que ponderam com perspicácia, quanto a depoimentos análogos aos que se refere "Zero Hora", os Professores David G. Bromley, Anson D. Shupe Jr. e J. C. Ventimiglia, da Universidade do Texas:

"O papel do apóstata, que tem sido largamente negligenciado pelos sociólogos, tem um peso significativo para desacreditar um grupo dissidente e para justificar medidas de controle social. Como um indivíduo que abandonou a fé à qual aderia anteriormente, o apóstata é uma valiosa fonte de informação e pode representar o papel de testemunha "astro" em processos públicos ou em campanhas de propaganda contra o grupo. Pode revelar atividades e segredos internos do movimento, de forma a confirmar as suspeitas e as alegações contra este, condená-lo com um conhecimento e uma certeza que os de fora não podem ter, e reafirmar os valores da sociedade convencional, ao confessar voluntária e publicamente o "erro" ou seus caminhos.

"Os apóstatas contribuem substancialmente para o teor inverossímil dos contos de atrocidades. Tendo desprezado os valores do sistema dominante, o apóstata dificilmente pode esperar reconquistar sua aceitação na sociedade convencional mediante simples manifestação de que já perdeu o interesse pelo grupo dissidente. Cabe a ele mostrar, de modo convincente, que sua reafirmação dos valores dominantes é autêntica, que ele compartilha com os demais os sentimentos de desaprovação em relação àquele grupo, e que seu compromisso anterior não era sincero.

"Juntamente com uma confissão pública aceitável, o apóstata sente provavelmente alguma necessidade de explicar sua própria conduta. Outros poderão perguntar: se o grupo é tão manifestamente mau como ele agora afirma, por que ele abraçou essa causa anteriormente? Na tentativa de explicar como fora seduzido, e confirmar os piores temores em relação ao grupo, o apóstata é levado a pintar uma caricatura do grupo, que é elaborada mais pela sua condição atual de apóstata, do que por suas reais experiências do grupo" (The Role of Anedoctal Atrocities in the Social Construction of Evil, in David G. Bromley [ James T. Richardson [ed. 1ª], The Brainwashing? Deprogramming Controversy: Sociological, Psychological, Legal and Historical Perspectives, The Edwin Mellen Press, New York-Toronto, 1983, p. 156).

Essas ponderações valem inteiramente para os depoimentos do gênero, que "Zero Hora" estadeia.

Evidentemente, a par do depoimento de egressos da TFP podem ser mencionados os de elementos da entidade, pois que é no recinto desta, e em contexto com elementos dela, que "Zero Hora" situa vários trechos de sua narração.

Ora, os sócios e cooperadores da TFP, pela sua própria perseverança na entidade, constituem uma negação viva e contínua de quanto "Zero Hora" refere. Pois algum deles que admitisse como verdadeiras tais narrações não teria outra coisa a fazer senão cortar ato contínuo qualquer liame com esta Sociedade.

As testemunhas filiadas à TFP depõem, portanto, em sentido contrário às mencionadas ("ex-integrantes" da entidade) por "Zero Hora". E não poderiam ser sumariamente passadas sob silêncio pelo tablóide, embora pudessem ser argüidas de suspeitas pelos adversários da entidade.

Poderia alguém objetar que, dentro desta perspectiva, nenhuma associação de caráter ideológico poderia ser validamente investigada, pela radical impossibilidade de obter testemunhas insuspeitas do que nela se passa.

Tal objeção não procede. A análise comparativa do grau de crédito a dar a cada testemunha segundo seus predicados intelectuais e morais, os cargos e funções que exercia, e as possibilidades maiores ou menores de conhecer os fatos, conferidas por essas funções já são sem dúvida elementos valiosos para uma investigação. Acresce que a verificação da coerência entre os elementos constitutivos de cada depoimento, da inspeção da contabilidade, das publicações e dos arquivos da entidade, tudo isto pode enfim enriquecer ainda a investigação com provas das mais concludentes. Por fim, cabe lembrar que depoimentos favoráveis à entidade, provenientes de egressos dela, se revestem de particular caráter de validade, pois sua condição normalmente os torna insuspeitos para tal.

2. Acusações calibradas - Acusações descalibradas

A propósito da afirmação acima transcrita, diga-se desde logo que ZH usa com desconcertante desenvoltura um sistema de argumentação radicalmente viciado. Pois quem acusa tem a obrigação estrita de dar a conhecer, com toda precisão, ao seu ouvinte ou leitor, o sentido específico em que emprega a palavra-chave da acusação. No caso concreto, "aliciamento". É isto indispensável para o devido calibramento da acusação. Uma acusação calibrada é como um tiro certeiro. Uma acusação descalibrada é, pelo contrário, como um tiro disparado sem alvo, fira quem ferir, doa a quem doer, mate a quem matar.

Isto é maximamente assim quando, em dicionários ou textos legislativos com autoridade intelectual, se consigna como notória a pluralidade de significados da palavra. É este o caso do verbo "aliciar" (22).

(22) Com sentido neutro ou indiferente este vocábulo tem curso na linguagem jurídica: "reunir ou contratar gente para determinado fim", assim se fala em "aliciação" ou "aliciamento", para significar o ato de "alistar indivíduos para que se incorporem às forças militares"; "aliciamento de colonos", etc. (cfr. De Plácido e Silva, Vocabulário Jurídico Forense, Rio de Janeiro, 9ª edição, 1986, sub voce).

Na acepção neutra ou indiferente, se poderia qualificar, por exemplo, os "Serra Clubes" (assim chamados em homenagem ao insigne frade franciscano, Frei Junípero Serra, todos destinados à obtenção de novas vocações sacerdotais) e os Centros ou Secretariados Vocacionais diocesanos ou de Institutos Religiosos como "sociedades aliciadoras de adolescentes", já que é a estes, principalmente, que se procura atrair para o estado sacerdotal ou religioso. Que mais admirável "aliciador de adolescentes" do que São João Bosco? (cfr. III, 4).

Por exemplo, o Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, registra, no verbete aliciar:

"[Do latim alliciare, por allicere V.t.d. 1. Atrair a si; seduzir, atrair: Aliciou o amigo, fazendo-o ciente do segredo. 2. Peitar, subornar: Aliciou testemunhas para depor a seu favor. 3. Atrair, angariar: "enquanto se aliciavam adeptos ...., Seu Ramiro nos visitou com freqüência." (Graciliano Ramos, Infância, p. 233). T.d. e i. 4. Atrair, angariar. 5. Seduzir, atrair: Foi preso por aliciar menores para a prostituição. 6. Incitar, instigar: Aliciou os partidos a assumirem posições contrárias" (Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1ª ed., 14ª impressão).

Na Enciclopédia Saraiva do Direito se lê que aliciar é "seduzir, provocar, incitar com promessas, enganar quase sempre para fim ilícito".

No Código Penal Militar, o aliciamento é definido como "crime praticado por civil, ou militar, ou por ambos, que em tempo de paz ou de guerra realizam promessas enganosas, subornam, engajam ou seduzem alguém para que se rebele contra a ordem interna ou externa do Estado" (cfr. Pedro Nunes, Dicionário de Tecnologia Jurídica, Livraria Freitas Bastos, Rio de Janeiro-São Paulo, 1961, 5ª ed., vol. I, p. 71).

O Código Civil trata do aliciamento de pessoas obrigadas a outrem por contrato de serviços agrícolas (art. 1235).

E no Código Penal (arts. 206 e 207), o aliciamento é configurado como "delito, que consiste em incitar com promessas, ou seduzir trabalhadores, com o fim de os levar para território estrangeiro ou qualquer outra localidade dentro do país" (cfr. Pedro Nunes, op. cit., p. 71).

Assim, embora o vocábulo comporte também um significado moralmente inócuo, é notória a tendência de ZH para usá-lo num sentido pejorativo, e até envolvendo delito ou crime.

Portanto, nesta perspectiva, dizer que a TFP alicia adolescentes só pode significar que ela os atrai fraudulentamente, por meio de exageros protuberantes, mentiras e omissões astutas, com segundas intenções.

Deste modo, aquela forma de expansão, natural em toda sociedade que não esteja estagnada ou em decadência, é apresentada sob um prisma negativo e ultrajante.

O processo de "aliciamento" da TFP visaria sobretudo - ou exclusivamente - adolescentes que, "atraídos pelo curso gratuito de caratê na sede da [Rua] Pernambuco, e a possibilidade de conhecer outros países acabam envolvidos pela religião e se voltam contra seus pais" (ZH, 28-1-93, p. 41).

3. Uma acusação anacrônica

Cabe dizer, antes de tudo, que é inteiramente anacrônica a afirmação de que a TFP realiza seu recrutamento com exclusividade, ou quase tal, entre adolescentes.

A partir do início da década de 70, a TFP se empenhou em formar uma rede de correspondentes, constituída de pessoas de um e outro sexo, das mais variadas idades, mais marcadamente porém entre as que atingiram 30 anos ou mais.

Não obstante, é verdade que a TFP se esforça especialmente em recrutar, para os seus quadros de sócios e cooperadores, jovens, inclusive bastante jovens.

Com efeito, é de conhecimento comum que no Brasil, já a partir dos 12 anos completos, idade que marca o fim da infância e o começo da adolescência (cfr. Estatuto da Criança e do Adolescente, artº 2), o jovem começa a se pôr questões fundamentais sobre os mais variados aspectos da realidade e da vida. Tem assim seu início um processo intelectivo e volitivo freqüentemente muito precoce, ao longo do qual a inteligência e a vontade vão adquirindo maturidade.

Evidentemente, a nocividade do aliciamento fraudulento consiste em que ele apresente a jovens e adolescentes ideais tão empolgantes, atrações e passatempos de tal maneira deliciosos, que contra eles não acha meios de resistir a mentalidade ainda débil do paciente, de onde a proteção legal deste último contra tal abuso.

4. A força de atração do ideal sobre a juventude

A este propósito, convém ponderar antes de tudo que já na adolescência e na mocidade o espírito humano costuma abrir-se mais generosamente para os grandes horizontes, os grandes ideais, os grandes apelos à dedicação desinteressada e ao heroísmo (23), e que, para o jovem ou adolescente normal, esses apelos, longe de prolongarem tardiamente as debilidades da infância, pelo contrário lhe robustecem o espírito.

(23) "A juventude não foi feita para o prazer, mas sim para o heroísmo", escreveu Paul Claudel: o que ZH parece ignorar de todo em todo.

Além do mais, esta frase lapidar do conhecido literato francês encontra sua confirmação em conceituados psicólogos e pedagogos contemporâneos, que apontam o papel fundamental da elevação espiritual, do idealismo e da religião, como elementos básicos para a formação da personalidade do adolescente.

Assim, o Comitê sobre Adolescência do Grupo para o Atendimento da Psiquiatria (EUA) faz notar: "Normalmente, os adolescentes têm um interesse sério pela ética e pela religião, como parte do esboço dos seus próprios padrões e valores. (...) Para o jovem, o apego a um ideal também ajuda encher o vazio resultante da crescente independência dos pais. (...) O ideal é o substituto que enche este vazio, substituto imaterial não contaminado por elementos sexuais e que não induz à prática de atos proibidos.

"Importante para muitos jovens idealistas (...) é a existência de outros jovens que partilham a mesma maneira de ver as coisas. Um grupo ao qual se pode pertencer, não tanto por um recíproco interesse pessoal, senão por um interesse mútuo e puro pelo ideal; o amor às pessoas subordina-se ao amor à 'Causa` (...).

"O idealismo é uma das mais notáveis características da segunda fase da adolescência; o idealismo do jovem é lendário. O zelo, a convicção e o ardor e o sacrifício são virtudes comuns na luta pelos ideais, e isso explica em grande parte a possibilidade de que certa mudança cultural seja estimulada e até mesmo iniciada pelo adolescente" (Comitê sobre Adolescência do Grupo para o Adiantamento da Psiquiatria (EUA), Dinâmica da adolescência, Ed. Cultrix, São Paulo, 2ª ed., 1974, pp. 105-107).

William Bruce e John Sims, professores de psicologia na Universidade de North Carolina e no George Williams College (Illinois, EUA) respectivamente, assim se exprimem sobre o idealismo dos adolescentes: "A ideologia é o meio pelo qual o jovem se integra na sociedade extrafamiliar e através da qual a vida adquire um significado" (Religious Apostasy and Political Radicalism, "Journal of Youth and Adolescence", vol. 4, nº 3, New York, 1975, p. 208).

Por essa razão, costumam eclodir especialmente na adolescência ou na juventude numerosas vocações para todas as atividades que pedem de modo particular tais qualidades, como, por exemplo, o Sacerdócio, o estado religioso, a vida militar. E por isso ninguém alega que essas vocações constituem em jovens e adolescentes sintomas inequívocos de tardio infantilismo. E assim também se explica que numerosas dioceses, Ordens religiosas, bem como Forças Armadas de vários países se aparelhem com acentuada solicitude para atrair a suas casas de formação especializada, tanto adolescentes quanto jovens.

É óbvio que, por análogas razões, as altas finalidades visadas pela TFP, a abnegação que esta pede a quem por tais finalidades se empolga, em suma, toda a epopéia da TFP atrai especialmente adolescentes e jovens. E que, em conseqüência, esta deita particular empenho em se fazer compreender (em meio aos tropeços das freqüentes incompreensões e ao silvar constante das calúnias) por aqueles que naturalmente têm o espírito mais aberto a ela. Nada mais sensato, nem mais normal.

Assim, se bem que, em princípio, a TFP acolha entre seus correspondentes, cooperadores e sócios pessoas das diversas idades, nada mais explicável do que preferir ela, para seu recrutamento, agir junto a adolescentes e jovens. E nisto nada a caracteriza como uma sociedade iniciática nem demonstra propósitos de "lavagem cerebral", como parece insinuar "Zero Hora". A menos que análogas acusações o tablóide fizesse a seminários, noviciados, escolas militares etc. 

III - Seita

1. "Seita": o que ZH entende por isto?

Segundo ZH, o combate ao comunismo seria a finalidade com que a TFP se apresenta ao público. Mas, por trás dessa, haveria outra mais profunda, que só aos poucos iria sendo revelada aos iniciados: "A seita continua se expandindo no Estado. (...) Aos poucos, (os jovens) se afastam das famílias, se tornam os guerreiros da Virgem - Nossa Senhora de Fátima - e passam a adorar Plinio Corrêa de Oliveira, fundador e presidente da TFP (24). Defender a idéia de que um dia o mundo vai acabar e os teefepistas serão escolhidos para formar uma nova civilização nos moldes da Idade Média" (ZH, 4-2-93).

(24) Sobre essa pretensa adoração ao Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, ZH, fiel ao seu vezo de jamais citar as obras publicadas pela TFP em sua própria defesa, se dispensa de qualquer referência à Refutação da TFP a uma investida frustra (Antonio Augusto Borelli Machado, Átila Sinke Guimarães, Gustavo Antonio Solimeo e João S. Clá Dias, 2 vols., 1984, 950 pp.), em que a estulta acusação vem lapidarmente refutada, bem como nos comunicados de imprensa "A TFP afirma sua posição doutrinária e interpela opositor" ("Folha de S. Paulo", 17-8-84) e "Voltando as costas a uma controvérsia realejo" ("Folha de S. Paulo", 28-8-84).

Na visualização de ZH, a TFP seria, pois, uma seita de caráter iniciático, que ocultaria seus verdadeiros fins. Estes, a TFP os alcançaria em escala cada vez mais ampla, multiplicando as fileiras dos que em prol dela atuam, por meio de um sutil processo de aliciamento e iniciação.

Como resultado da aplicação desse processo, os jovens e adolescentes teriam sua mentalidade e convicções anteriores "lavadas" e substituídas pelas da TFP, e ficariam assim definitivamente dominados e engajados na "seita", da qual só muito dificilmente e com grande sacrifício se conseguiriam libertar.

"Menti, menti, algo sempre ficará" nos espíritos, disse Voltaire. "Desdourai o opositor pela insinuação confusa e ultrajante, que algo sempre ficará", é o que ZH parece ter aqui em vista.

Antes de prosseguirmos, convém colocar a questão: a TFP é uma seita? ZH o afirma mais de uma vez em sua verrina contra esta Associação.

Recomendamos ao leitor que se sinta intrigado com o qualificativo de "seita", usado não sem destaque por ZH, que peça a esta uma definição precisa do que seja, na linguagem hodierna, uma seita, e que forneça de tal uma definição clara e lapidar, incontrovertida.

Isto é o mínimo que se pode pedir a ZH nesta matéria, pois quem aplica uma palavra contra um adversário com o manifesto ânimo de o injuriar, ou é irresponsável pelo que diz, ou conhece o exato sentido do que diz. Pois injuriar é coisa muito séria.

Ora, este vocábulo "seita" é profundamente controvertido, até mesmo entre os detratores dos grupos que eles cognominam de seita.

A TFP, pelo contrário, toma diante desta acusação fofa e inconsistente uma posição modelarmente definida e clara.

Sendo o assunto confuso e proteiforme, não cabe ele nas linhas de um tablóide, mesmo quando este é difuso e loquaz como ZH. Mas a posição da TFP face ao tema pode ser facilmente conhecida por quem o desejar.

Com efeito, para silenciar rumores difundidos a este respeito por adversários da TFP francesa (adversários estes, sempre iguais a si mesmos no mundo inteiro), aquela Sociedade publicou uma monografia precisa, substanciosa e lapidar de autoria dos irmãos Gustavo Antonio Solimeo e Luiz Sérgio Solimeo, intitulada Nouvelle Inquisition athée et psychiatrique - elle taxe de secte ceux qu'elle veut détruire (Paris, 1991, 201 pp.).

Bem entendido, trabalho de tal categoria não teve réplica.

A TFP está disposta a fornecer cópia desse trabalho a quem quer que o deseje, e isto tanto no seu original francês quanto em seu texto português.

2. Método progressivo de formação não se confunde com iniciação sectária

A acusação de ZH manifesta, em primeiro lugar, uma ignorância desconcertante do que seja qualquer processo de formação, quer cultural, quer filosófico ou religioso, ou simplesmente científico.

Aqui cumpre lembrar a distinção entre meta e método. A meta da "formação" atribuída por ZH à TFP é intrinsecamente má, e a entidade a repudia de modo enérgico (Cfr. subtítulo III, 1).

Quanto ao método insinuado por ZH, consistiria em que o formador (no caso a TFP) tem em vista inculcar no discípulo ou no neófito um conhecimento e um comportamento que ele rejeitaria se lhe fossem apresentados desde logo integralmente. Assim, o formador aplica em relação à matéria que deseja inculcar, um tratamento como que homeopático. Isto é, ele lhe iria comunicando os conhecimentos em doses pequenas, e cada dose só lhe seria ministrada quando o iniciador notasse que a dose anterior já tinha sido absorvida pelo paciente, o qual se teria habituado a ela a ponto de que em nada lhe parecesse estranho. E assim, passo a passo, o neófito iria sendo conduzido a professar teses e a tomar atitudes que, no início do processo, ele teria rejeitado.

É elementar que, quando um tal método é usado para difundir o erro ou o mal, torna-se ipso facto censurável. Porém, este mesmo método pode ser legitimamente utilizado para a difusão da verdade e do bem.

3. A pedagogia ensinada por Nosso Senhor Jesus Cristo

Compreendeu-o magnificamente, e soube pô-lo em prática, o grande pedagogo que foi São João Bosco (1815-1888). É o que se vê numa clássica biografia do seu primeiro sucessor, o Bem-aventurado Dom Miguel Rua:

"Foi com extrema prudência que [Dom Bosco] lançou, na alma de seus meninos, a primeira semente das futuras colheitas. Uma só palavra infeliz, uma alusão demasiado clara, a revelação de seu verdadeiro desígnio desde cedo, teriam bastado para afastar para sempre suas boas vontades.

"De início, só lhes pediu uma coisa: que o quisessem ajudar. Nada mais. Suas singelas prédicas de domingo à noite versavam sobre as virtudes cristãs e religiosas; mas quando manifestava seu poderoso atrativo para fazê-las amar na prática, então Dom Bosco parecia só ter em vista a formação, a seu lado, de auxiliares totalmente consagrados a seu labor beneficente.

"Método idêntico ao que seguira Nosso Senhor em suas relações com os Apóstolos, método de revelação progressiva, que permite penetrar pouco a pouco no fundo do pensamento, à medida que as almas estão preparadas para recebê-lo e os espíritos para entendê-lo" (Augustin Auffray, SDB, Dom Miguel Rua, Central Catequística Salesiana, Madrid, sem data, Imprimatur de 1957, p. 52).

4. Os arcanos de São João Bosco

E nas célebres Memórias do Oratório, é o próprio Santo que relata os cuidados com que, pouco a pouco, foi revelando a seus discípulos o desígnio que tinha de fundar uma nova congregação religiosa:

"Eu via que ainda não era hora de propor o noviciado e os votos formais a meus companheiros de trabalho. Rezava, e fazia outros rezarem para que Deus nos inspirasse. ....

"O teólogo Borel e os que trabalhavam comigo, vendo e apreciando o bem religioso e social que se realizava, insistiam para que fosse dado início à Congregação. E eu lhes respondia: "Por ora, continuemos assim até que Deus nos dê claro sinal para começar".

"Graves razões tinha eu para manter ainda essa espécie de arcano. Tão maus eram os tempos para tais assuntos, que se se houvesse pronunciado as palavras "noviço", "noviciado", "profissão religiosa", se teriam assustado até os mais decididos, e, se não eles, pelo menos seus pais. Tantos eram os preconceitos, os erros, as calúnias e os escárnios com que a impiedade fustigava os religiosos e tudo quanto se relacionasse com eles. O Governo, por seu lado, havia suprimido as Ordens e Congregações religiosas. Ademais, aqueles bons rapazes eram quase meninos e inexperientes. ....

"De qualquer forma, era preciso apresentar uma Regra. Após muito orar, meditar e consultar, eu havia escrito uma, na essência igual às das diversas Congregações aprovadas pela Igreja, e diferente, em certas modalidades, para acomodá-la à índole dos tempos. Parecia-me que uma Congregação assim inspirava maior confiança e simpatia. ....

"E foram experimentadas [as Regras], aplicando-as ao grupinho de adeptos, aos quais eram lidas e explicadas prudentemente em conferências especiais. Não eram ainda as Regras definitivas, mas seu esboço prévio. ....

"Por mais que se procurasse guardar segredo, a notícia desse Regulamento transpirou fora do Oratório. ....

"Aproveitando a festa de São Francisco de Sales, insinuei cautamente no ânimo de alguns alunos uma vaga idéia de sociedade religiosa. Para tal fim, em uma reunião tratou-se do grande bem que, muitos reunidos, poderiam fazer ao próximo em geral, e aos meninos em particular. Fizemos uma promessa. O jovem clérigo Miguel Rua a pôs por escrito, e é conservada nos arquivos" (Biografía y Escritos de San Juan Bosco, BAC, Madrid, 1955, pp. 305-306).

Será esse um procedimento secreto, iniciático, desonesto? Como imaginá-lo, sendo o de um Santo canonizado pela Igreja?

5. Apologia do Cardeal Siri

Em sua obra Gethsemani - Réflexions sur le mouvement théologique contemporain, o Cardeal Giuseppe Siri, Arcebispo de Gênova (Itália), defende a Igreja de uma crítica análoga. Diz ele com penetrante argúcia: "Tanto quanto é humanamente permitido representar-se a realidade dos primeiros tempos da Igreja, a Encarnação do Verbo de Deus foi revelada, mas permanecia também um arcano. Arcano não significa sempre uma vida secreta e um saber secreto, que só se deve desvendar a raros iniciados. Mas significa também que há verdades que não se pode sempre transmitir a todo o mundo, não por causa de uma palavra de ordem ou de um culto secreto, mas porque há verdades que exigem um grau de libertação interior e uma particular elevação espiritual para poderem ser compreendidas intelectualmente e expressas então por meio do vocabulário da palavra exterior" (Cardinal Joseph Siri, op. cit., Téqui, Paris, 1981, 2ª ed., p. 299).

6. A "base" da argumentação de "Zero Hora"

ZH estaria no direito de denunciar como fraudulenta a TFP se houvesse, por parte desta, uma falsificação na apresentação dos objetivos da entidade. Ou uma contradição dolosamente ocultada, entre os fins últimos da entidade, e o que ela diz de si aos novatos. Mas parece que, para acusar de modo persuasivo, o tablóide se contenta em afirmar gratuitamente.

Com efeito, entre dizer de um lado que a TFP quer combater o comunismo e o socialismo, e pretender irrisoriamente de outro lado que, segundo a TFP, "o mundo vai acabar e os teefepistas serão escolhidos para formar uma nova civilização nos moldes da Idade Média" (ZH, 4-2-93) há uma contradição espantosa. Se "o mundo vai acabar", como é que se pode admitir que, depois do fim do mundo, ainda haverá sobre o globo terrestre uma "nova civilização nos moldes da Idade Média"?

7. Entusiasmo santo

Fanatismo

Fanatismo anti-TFP

Há outro elemento da "roupagem" com que ZH procura apresentar a TFP, que é o de uma entidade "fanática". Tal qualificativo, ora é formulado explicitamente, ora fica subjacente às narrações de ZH.

O que vem a ser o fanatismo? (25).

(25) Do Novo Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira (Editora Nova Fronteira, 2ª edição, p. 756): "fanático. (Do lat. fanaticu.) Adj. 1. Que se considera inspirado por uma divindade, pelo espírito divino; iluminado. 2. Que tem zelo, religioso cego, excessivo; intolerante: Portou-se como um católico fanático. 3. Que adere cegamente a uma doutrina, a um partido; que é partidário exaltado, faccioso: Silva Jardim era um republicano fanático. 4. Que tem dedicação, admiração ou amor exaltado a alguém ou algo; entusiasmado, apaixonado: "converteu-se (Silva Túlio) num dos mais fanáticos admiradores de Camilo Castelo Branco, a quem .... tratava habitualmente por mestre" (Alberto Pimentel, O Romance do Romancista, p. 215); É um jogador fanático. S. m. 5. Indivíduo fanático."

O fanatismo é uma forma obliterada de entusiasmo, pela qual a pessoa é levada a perder parcialmente a noção da realidade e considerar aquilo de que gosta muito mais do que tem propósito - ou, de modo correlato, uma fobia com altíssimo grau de intensidade que leva outrem a votar a algo ou a alguém uma execração muito maior do que permitiria o bom senso. E empregar face ao de que gosta e do que não gosta, expressões de adesão, meios de defesa ou de ataque que vão muito além do razoável.

A TFP seria fanática?

Convidamos a quem nos ataca de fanatismo a que aponte em 33 anos de controvérsia pública uma só atitude nossa que possa ser classificada como tal. O caráter ordeiro e pacífico da TFP, já o deixamos mais do que comprovado (cfr. subtítulo 2). Uma organização fanática, como ZH inculca ser a TFP, jamais se conteria nesses limites modelares. Pelos frutos conheceremos a árvore. Será a TFP fanática, apesar de tanta serenidade?

Não há ocasião em que os sintomas de fanatismo mais facilmente se manifestem do que durante as controvérsias, máxime na polêmica. Ora, a TFP, atacada em 12 estrondos, ao longo de sua existência, do modo mais violento, mais injusto, mais fanático, a TFP em nenhum caso transpôs os limites do comedimento.

A TFP não é fanática. No entanto, ela pode parecer tal a uma vasta família de almas que ao longo dos séculos se vai perpetuando no gênero humano. É a dos egoístas, indolentes e átonos em relação a tudo quanto não esteja no âmbito dos seus interesses pessoais, e que por vezes chega até a negligenciar gravemente seus mais legítimos interesses, a fim de se manter na delectação de um dolce farniente.

A estes, qualquer ato que revele da parte de alguém entusiasmo ardente por verdades religiosas, filosóficas, políticas, ou culturais lato sensu, parecerá fanatismo. Pois, como vimos, fanatismo é para eles tudo quanto tende a tirá-los do farniente. Assim, facilmente confundem eles com o fanatismo todas as nobres paixões que levantam o espírito humano até o alto nível dos mártires, dos cruzados, dos que, enfim, dedicaram toda sua vida a uma alta e nobre finalidade.

Em contato com esta família de almas, tem-se ímpetos de aplicar o conselho de Dante: "Non raggionare di loro, ma guarda e passa". Tais mentalidades só têm em nossos dias uma forma principal de fanatismo: é o fanatismo anti-TFP. As pessoas de grande elevação moral sabem, entretanto, fustigar com extraordinária adequação de termos, estes idólatras do farniente e refutar-lhes as objeções. Assim, São Pedro Julião Eymard (1811-1868), fundador da admirável obra da adoração perpétua ao Santíssimo Sacramento e da Congregação dos Sacramentinos, escreveu:

"Nosso Senhor quer estabelecer em nós um amor apaixonado por Ele.

"Toda virtude, todo pensamento que não se termina em uma paixão, que não acaba por tornar-se uma paixão, nada de grande produzirá jamais. (...).

"O amor só triunfa quando é em nós uma paixão vital. Sem isso, podem produzir-se atos isolados de amor, mais ou menos freqüentes; a vida não é tomada, não é dada. (...).

"Nosso Senhor, decerto, nesse Sacramento (da Sagrada Eucaristia), ama-nos com paixão, ama-nos cegamente, sem pensar em Si, devotando-Se inteiramente por nós: é preciso corresponder-Lhe.

"Nosso amor, para ser uma paixão, deve sofrer as leis das paixões humanas. Falo das paixões honestas, naturalmente boas; pois as paixões são indiferentes em si mesmas; nós as tornamos más quando as dirigimos para o mal, mas só de nós depende utilizá-las para o bem.

"Ora, a paixão que domina um homem, concentra-o.

"Tal homem quer chegar a uma determinada posição honrosa e elevada. Só para isso trabalhará: dez, vinte anos, não importa. Chegarei, diz ele; faz unidade: tudo se acha reduzido a servir esse pensamento, esse desejo, deixa de lado tudo quanto não o conduzisse a seu objetivo.

"Eis como se chega no mundo ao que se deseja; essas paixões podem tornar-se más, e ai! muitas vezes não são mais que um crime contínuo; mas enfim podem ser e são ainda honoríficas.

"Sem uma paixão, nada se alcança: a vida carece de objetivo; arrasta-se uma vida inútil.

"Pois bem, na ordem da salvação, é preciso ter também uma paixão que nos domine a vida e a faça produzir, para a glória de Deus, todos os frutos que o Senhor espera.

"Amai tal virtude, tal verdade, tal mistério apaixonadamente. Devotai-lhe a vossa vida, consagrai-lhe os vossos pensamentos e trabalhos; sem isso, nada alcançareis jamais, sereis apenas um assalariado, jamais um herói!

"Tende um amor apaixonado pela Eucaristia. Amai Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento com todo o ardor com que se ama no mundo, mas por motivos sobrenaturais. (...).

"Considerai os santos; seu amor os transporta, abrasa, faz sofrer; é um fogo que os consome, despende as suas forças e acaba por lhes causar a morte.

"Morte feliz!

"Mas, se não chegamos todos a esse ponto, ao menos podemos amar apaixonadamente a Nosso Senhor, deixar que nos domine o seu amor.

"Há pessoas que amam até à loucura os pais, os amigos, e não sabem amar o bom Deus! Mas o que se faz com a criatura, é o que se deve fazer com Deus: somente, ao bom Deus, é preciso amá-Lo sem medida, e cada vez mais. (...).

"Mas poderíamos dizer: Somos então obrigados a amar assim?

"Bem sei que o preceito de amar assim não se acha escrito; não há necessidade! Nada o diz, tudo o clama: a lei está em nosso coração. (...).

"A Eucaristia é a mais nobre aspiração de nosso coração: amêmo-la pois apaixonadamente.

"Dizem: Mas é exagero tudo isso.

"Mas que é o amor, senão exagero? Exagerar é ultrapassar a lei; pois bem, o amor deve exagerar!

"O amor que nos testemunha Nosso Senhor permanecendo conosco sem honras, sem servidores, não é também exagerado?

"Quem se limita ao que é absolutamente de seu dever, não ama. - Só se ama quando se sente interiormente a paixão do amor.

"E tereis a paixão da Eucaristia quando Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento for o vosso pensamento habitual; a vossa felicidade, a de achar-se a seus pés; e vosso constante desejo, o de Lhe causar prazer.

"Vamos! Entremos em Nosso Senhor! Amêmo-lO um pouco por Ele; saibamos esquecer-nos e dar-nos a esse bom Salvador! Imolemo-nos um pouco! Considerai estes círios, esta lâmpada, que se consomem sem deixar vestígios, sem nada reservar" (São Pedro Julião Eymard, O Santíssimo Sacramento, Coleção "Os grandes Autores Espirituais", nº 24, Edições Paulinas, São Paulo, 1956, pp. 27 a 32 / Pode imprimir-se: Mons. Caruso, Pró-Vigário geral, Rio, 8-7-1953).

Como foi dito, a TFP não é fanática e com facilidade ela poderia mostrar quanto freqüentemente o são seus detratores. É o fanatismo anti-TFP!

8. Na polêmica, reluz o espírito de cavalaria

Se bem que se tenha defendido sempre com argumentos lógicos e peremptórios, se bem que tenha sido sempre corajosa contra os adversários que no plano da publicidade são muito mais numerosos do que ela, entretanto, em nenhum momento ela faltou com serenidade na sua linguagem, e cortesia no seu trato com o adversário. O estilo de atuação da TFP ficou marcado por ser uma versão, em termos contemporâneos, do espírito do cavaleiro cristão de outrora: no idealismo, ardor. No trato, cortesia. Na ação, devotamento sem limites ao ideal. Na presença do adversário, circunspecção. Na luta, altaneria e coragem. E, pela coragem, vitória!

Porto Alegre, 11 de fevereiro de 1993

Festa de Nossa Senhora de Lourdes

Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade


ROI campagne pubblicitarie