Consagração do Brasil ao

 

 

Imaculado Coração de Maria

 

 

Legionário, 2 de junho de 1946, N. 721 pag. 1

 

  Bookmark and Share

Plinio Corrêa de Oliveira, Diretor-responsável do LEGIONÁRIO

 

Nossa Senhora é coroada Rainha do Céu e da terra - A ela se consagrou o Brasil, recomendando-se a Seu Puríssimo Coração. (“A Coroação da Virgem” - tela de Velásquez)

Na sexta-feira pp. (31 de maio) realizou-se um dos atos de piedade mariana de maior significação na vida religiosa do Brasil. Na presença de Sua Emcia. D. Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, e de considerável número de Arcebispos e Bispos do Brasil, do Exmo. Sr. Presidente da República, e dignatários do Estado, S. Emcia. o Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro D. Jaime de Barros Câmara consagrou a nossa pátria ao Coração Imaculado de Maria.

Esse ato foi precedido de numerosas consagrações locais, em que Bispos Diocesanos consagraram suas circunscrições ao Coração de Maria.

Como se sabe, manifestando-se em Fátima aos pequenos pastores, Nossa Senhora exprimiu o desejo de que todo o orbe cristão se consagrasse ao seu Puríssimo Coração, como meio de evitar as catástrofes contemporâneas.

Atendendo a este apelo, os Exmos. e Revmos. Srs. Bispos do Brasil resolveram efetuar, no dia consagrado à Medianeira de todas as graças, a consagração do Brasil.

É supérfluo declarar com quanta devoção o Brasil católico se associou a este belíssimo gesto. É da proteção de Nossa Senhora que todos aguardamos a salvação do Brasil, dos inumeráveis males que nos ameaçam no momento e, particularmente, do perigo do fascismo vermelho de Moscou.

*     *    * 

Legionário, 9 de junho de 1946, N. 722, pag. 1-2 

Semana de A.C. (Ação Católica) no Rio de Janeiro

Encerram-se com grande brilho as comemorações da Semana de A.C., do Rio de Janeiro, convocada pela Comissão Episcopal da A.C. e organizada pela Junta Nacional da A. C., cujo presidente é o sr. Hildebrando Leal.

Esta “Semana” coincidiu com a gratíssima cerimonia da consagração do Brasil ao Imaculado Coração de Maria e, durante ela, notava-se a presença, no Rio de Janeiro, de 40 Arcebispos e Bispos, além dos dois Eminentíssimos srs. Cardeais brasileiros.

Finda a “Semana”, o Venerando Episcopado esteve em visita ao Exmo. Sr. Presidente da República, General Eurico G. Dutra. Sua Eminência, sr. cardeal Arcebispo D. C. Carmelo de V. Motta, dias antes almoçou no Palácio Guanabara em companhia do chefe de Estado.

É esta a belíssima fórmula de consagração, lida por ocasião da tocante cerimônia do Rio de Janeiro:

“Ó Maria, Virgem amorosíssima e nossa Mãe, lançai um olhar benigno sobre o povo desta Nação, humilde parte da vossa grande família, que (n.d.c.: erro tipográfico no jornal – é de se supor que as palavras que faltam sejam na linha de: hoje se consagra ao Vosso Coração Imaculado). A isto nos move não só o nosso filial afeto para convosco, mas também a necessidade que sentimos de uma assistência vossa mais especial, nestes calamitosos tempos.

Vede, ó Maria, como se procura extinguir a fé em nossos corações com o gelo do indiferentismo e da incredulidade. Vós, que sois a Sede da Sabedoria, preservai-nos a todos da vã ciência do século, e conservai-nos inabaláveis na fé santíssima de Vosso Filho.

Vede as ciladas que em toda parte se armam aos bons costumes, contaminando todas as coisas com o mais desenfreado sensualismo. Purificai, ó Virgem Imaculada, de tantas impurezas a terra; ou ao menos, conservai limpas as nossas famílias.

Vede como se tenta convulsionar a sociedade e lançá-la no torvelinho da rebelião contra toda a lei e autoridade.

Conservai, portanto, ó augusta Rainha nossa, entre as classes do vosso povo a ordem por Deus estabelecida, e não permitais que os conse1hos dos ímpios prevaleçam. Finalmente, tende misericórdia da Igreja, ó Auxílio dos Cristãos; tende piedade do seu venerando Chefe; e apressai o momento em que a humanidade inteira seja um só rebanho sob um só Pastor.

Aceitai, pois, ó boa Mãe, a consagração que este povo faz hoje de si mesmo ao Vosso Coração materno; e, como prova de vosso benigno acolhimento, fazei que todos sintam a vossa proteção na vida e na morte. Assim seja.