Plinio Corrêa de Oliveira

 

São Juan Diego nos olhos de Nossa Senhora:

símbolo de toda a América Latina no Sapiencial e Imaculado Coração de Maria

 

 

 

 

 

Santo do Dia, 18 de janeiro de 1975, sábado

  Bookmark and Share

 

A D V E R T Ê N C I A

O presente texto é adaptação de transcrição de gravação de conferência do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira a sócios e cooperadores da TFP, mantendo portanto o estilo verbal, e não foi revisto pelo autor.

Se o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira estivesse entre nós, certamente pediria que se colocasse explícita menção a sua filial disposição de retificar qualquer discrepância em relação ao Magistério tradicional da Igreja. É o que fazemos aqui constar, com suas próprias palavras, como homenagem a tão belo e constante estado de espírito:

“Católico apostólico romano, o autor deste texto  se submete com filial ardor ao ensinamento tradicional da Santa Igreja. Se, no entanto,  por lapso, algo nele ocorra que não esteja conforme àquele ensinamento, desde já e categoricamente o rejeita”.

As palavras "Revolução" e "Contra-Revolução", são aqui empregadas no sentido que lhes dá o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em seu livro "Revolução e Contra-Revolução", cuja primeira edição foi publicada no Nº 100 de "Catolicismo", em abril de 1959.

O milagre: a imagem aparece pintada na tilma do santo. Basílica de Guadalupe, Cidade do México

Gostaria de dar aos senhores uma notícia a respeito de um assunto muito bonito que é sobre Nossa Senhora de Guadalupe.

Os senhores todos ouviram falar naturalmente da famosa aparição de Nossa Senhora de Guadalupe no México a um índio chamado Diego, no século XVI. Nessa aparição Nossa Senhora faz algumas revelações ao Diego e constituiu-se ali um centro de peregrinação extraordinário. De tal maneira que a Santa Sé acabou por declarar Nossa Senhora de Guadalupe a Padroeira de toda a América Latina.

Então o bloco de nações formadas pelo México e todas que vem ao sul, inclusive, portanto, o Brasil tem em Nossa Senhora uma padroeira comum sob a invocação de Nossa Senhora de Guadalupe, que aliás nós temos uma reprodução, numa das nossas sedes, dada por nossos amigos mexicanos.

Muito tempo depois dessa aparição, com essas máquinas de fotografias e de ampliação modernas etc., etc., sustentou-se que fotografando essa imagem se verificava que na retina da imagem havia um homem ajoelhado e que esse homem era o Diego, o que seria uma verdadeira maravilha. Porque não era possível com os recursos antigos chegar a pintar a tão pequena figura do Diego que a olho nu não fosse visível, e que depois com lentes e com mil possibilidades posteriores se tornasse visível a figura.

De outro lado, uma maravilha pelo lado de afeto materno que isto significa, porque ter na menina dos olhos, ter na retina alguém, equivale a dizer que tem no coração.

Diz-se até - a Sagrada Escritura emprega esta figura mais de uma vez – de uma pessoa quando vê outra com comprazimento, com alegria, esse reflexo que se produz na retina, se diz "eu o tenho na retina", quer dizer, eu tenho no coração.

Nossa Senhora quis dizer, então, que Ela tinha Juan Diego na sua retina, o tinha no Seu Coração. Era uma manifestação de misericórdia extraordinária que Ela com isto dava. Tanto mais que ele, Juan Diego, no caso concreto representava todas as nações sul-americanas. Porque era um de dentro dessas nações que Nossa Senhora escolheu para lhe falar. E representava também, porque uma vez que a Santa Sé constituiu Nossa Senhora de Guadalupe padroeira de toda a América Latina, todas as manifestações que Ela deu ao Diego, se estendem a toda a América Latina, de maneira que todos nós, de algum modo, estamos presentes na retina de Nossa Senhora de Guadalupe.

Entra nisso uma promessa de proteção, de um auxílio, de uma graça extraordinária, uma razão de grande confiança de nossa parte ao rezarmos a Nossa Senhora. E por causa disso, me parece que é muito bonita a notícia contida no seguinte telegrama publicado nos "Reader's Digest" e tirado do "Globo" do Rio de Janeiro, do dia 3 de janeiro deste ano.

Uma comissão de estudiosos divulga dados científicos pelos quais se patenteia a autenticidade do milagre de Guadalupe

"Após 8 anos de intensas pesquisas, uma comissão de oculistas, químicos, optometristas e desenhistas mexicanos confirmou que os olhos da imagem da Virgem de Guadalupe refletem a fisionomia de Juan Diego, o índio a quem a Senhora apareceu quatro vezes. A comissão declarou que se trata de figura de um busto de um homem simetricamente colocado e que corresponde ao reflexo da córnea de acordo com as leis da ótica".

Quer dizer, se eu vejo isto, de acordo com as leis da ótica, isto se reflete na minha retina de um modo especial. Então, está perfeitamente colocada a figura de Juan Diego, conforme as leis da ótica, nos olhos de Nossa Senhora.

O desenhista Carlos Chaves, que fez a descoberta em 1951 quando examinava fotografias ampliadas do rosto da imagem, propôs que Juan Diego fosse canonizado. A imagem recebe anualmente a visita de mais de 3 milhões de fiéis".

É muito bonito que, com aparelhos supermodernos, empregando conhecimentos científicos e técnicas que ninguém naquele tempo tinha e nos meios mais civilizados do mundo, se tivesse produzido uma pintura dessa natureza.

Isto é uma coisa de tal maneira sobrenatural que não se sabe verdadeiramente o que dizer.

 

Nota: Para mais informações a respeito deste portento, clique O inimaginável no olhar da Virgem de Guadalupe desafios às ciências modernas.


Bookmark and Share