Plinio Corrêa de Oliveira

 

Comentários ao

"Tratado da verdadeira devoção

a Nossa Senhora"

 

Capítulo VI - Figura bíblica desta perfeita devoção: Rebeca e Jacó

 

1951, Conferência

A D V E R T Ê N C I A

O presente texto é adaptação de transcrição de gravação de conferência do Prof. Plinio, em 1951, para os futuros sócios-fundadores da TFP brasileira.

Se o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira estivesse entre nós, certamente pediria que se colocasse explícita menção a sua filial disposição de retificar qualquer discrepância em relação ao Magistério da Igreja. É o que fazemos aqui constar, com suas próprias palavras, como homenagem a tão belo e constante estado de espírito:

“Católico apostólico romano, o autor deste texto  se submete com filial ardor ao ensinamento tradicional da Santa Igreja. Se, no entanto,  por lapso, algo nele ocorra que não esteja conforme àquele ensinamento, desde já e categoricamente o rejeita”.

As palavras "Revolução" e "Contra-Revolução", são aqui empregadas no sentido que lhes dá o Prof. Plínio Corrêa de Oliveira em seu livro "Revolução e Contra-Revolução", cuja primeira edição foi publicada no Nº 100 de "Catolicismo", em abril de 1959.

 

Nos tópicos 184 a 212, São Luís Grignion nos interpreta a figura de Jacó à luz da devoção a Nossa Senhora. 

 

História de Jacó 

O velho Isaac estava cego, e tinha dois filhos: Esaú e Jacó.

Esaú era um homem cuja personalidade se depreende através da narração bíblica: extremamente forte, caçador, saía muito de casa. Era tão felpudo que, quando Jacó teve de se apresentar diante do pai, revestiu sua mão e o pescoço com uma pele de cabra; e o pai, tocando-o, pensou que fosse Esaú. Este também tinha certo cheiro, pois quando Jacó, vestido com as roupas de seu irmão, aproximou-se de Isaac, este exclamou: "O cheiro de meu filho é como o cheiro de um campo florido que o senhor abençoou" (Gen. XXVII, 27). Era pois um personagem muito primitivo, sujeito a apetites e volições destemperadas e primitivas.

Nota-se isto, por exemplo, no seu procedimento com relação ao prato de lentilhas que Rebeca, sua mãe, tinha preparado para Jacó, seu predileto. Esaú entrou, viu o prato e o pediu para si. Jacó respondeu que o daria em troca do seu direito de primogenitura. Com um apetite devorador, Esaú, que trazia comida da caça, levado pela gula, quis comer logo o prato de lentilhas, e para isto renunciou ao seu direito de primogenitura. Era pois um homem de apetências formidáveis, robusto, vigoroso, mas estuante de todas as forças descontroladas da natureza.

Isaac, sentindo-se já muito velho, resolvera dar a bênção de primogenitura a Esaú. Disse-lhe que fosse caçar dois cabritos, para que, após comê-los, lhe desse a bênção.

Tendo saído Esaú, Rebeca, que amava mais a Jacó, chamou-o e disse-lhe que tirasse dois cabritos do seu rebanho, mandou prepará-los e oferecê-los a Isaac. Jacó então aproximou-se de Isaac, com as roupas de Esaú e as mãos e o pescoço revestidos de pele de cabra. Isaac, duvidando que fosse Esaú, tocou-o e julgou ser realmente seu filho primogênito. Deu-lhe então a bênção. Quando Esaú voltou e verificou a situação, protestou aos gritos, mas nada mais havia a fazer. Isaac, informado do artifício - e isto é muito misterioso - não quis mais retirar a bênção de Jacó. Esaú pediu-lhe ao menos uma bênção secundária, a qual lhe foi dada; mas não era mais a bênção destinada ao filho bem-amado, ao primogênito.

Segundo a expressão de São Luís Grignion, Jacó ganhou a bênção do Céu, e Esaú a da Terra.

 

 Isaac abençoando Jacó (por Gustave Doré)

 

Interpretação da história de Jacó 

Essas duas figuras são, para São Luís Grignion, a imagem dos predestinados e dos réprobos, dos que são preferidos por Deus e dos que não o são. 

Esaú, a figura dos réprobos - Vemos que Esaú representa o homem rico em dons naturais, mas descontrolados. É o tipo do homem que não é capaz de se governar a si mesmo, no qual o estuar das forças da natureza, dos apetites, dos desejos e das volições é tal, que ele pega o que lhe apetece e caminha de acordo com os instintos inferiores. Esaú caça porque tem vontade de caçar; encontra um prato de lentilhas, tem vontade de comê-lo, e faz o absurdo de trocar por ele o direito de primogenitura. É levado constantemente por seus instintos, por seus apetites

Jacó, figura dos predestinados - Jacó era o tipo do bom filho, que um anti-católico poderia ser levado a chamar de carola. Estava sempre em casa, e era muito afeiçoado à mãe, que tinha também uma predileção toda especial por ele, filho mais moço. É mais fraco, mas é homem que se governa muito mais, no qual a razão, o bom senso e o equilíbrio interno de todas as forças o levam para uma vida morigerada e criteriosa. Por isso a preferência da mãe se fixa sobre ele, e não sobre o mais velho.

A primeira nota que distingue o predestinado é a preocupação de se governar a si próprio. Ele não é levado pelos seus apetites, nem por suas volições, mas inteiramente por sua razão e por sua vontade. Ele quer o que sua inteligência mostrou dever querer, e só faz aquilo que sabe dever fazer. Ele não é um filho dos impulsos desordenados nem dos meros instintos, nem um filho da correnteza, mas está de pé por si, governa-se e orienta-se por sua razão.

Em segundo lugar, ele é estimado por sua mãe, e é dela o predileto. Ele a agrada e tem palavras que atraem a sua benevolência; ela, por isso, ama-o mais.

Por fim, ele é o que recebe de Deus um papel que, à primeira vista, talvez não lhe pertencesse

 

A figura de Jacó aplicada aos escravos de Maria 

São Luís Grignion aplica estes sinais aos que fazem a consagração a Nossa Senhora como escravos.

Um homem é de fato contra-revolucionário na medida em que se orientar por pensamentos. É um homem que tem princípios, tem normas, tem máximas e tem uma conduta razoável e lógica.

Não será um contra-revolucionário se quiser deixar-se guiar pelo rio caudaloso da espontaneidade; se quiser fazer só aquilo que no momento lhe parece agradável, e do modo que lhe parece mais agradável; se quiser fazer tudo que lhe apetece no momento; se simpatizar com as pessoas sem razões profundas, mas apenas de modo superficial, sem cogitar se as pessoas merecem ou não. Este homem nunca poderá ser da estirpe dos prediletos de Nossa Senhora. Para pertencer a Ela supõe-se, antes de tudo, um controle, um domínio, uma escravidão da parte inferior do homem à parte superior, sem a qual nada de bom se pode fazer.

Há, portanto, duas notas que se sobressaem nos predestinados e nos escravos de Nossa Senhora, representados pela figura de Jacó. Eles não se entregam, à maneira de Esaú, ao desregramento de todos os seus apetites, mas fazem dos princípios a razão de ser da sua vida. Por outro lado, sua condição supõe uma particular devoção a Nossa Senhora. Com efeito, o fato de sentirmos que somos especialmente amados por Ela, e de A amarmos muito particularmente, estabelece uma relação de devoção muito intensa, de ardor muito grande, de dedicação e de recurso constante a Ela. Quando encontramos essas duas características, temos um predestinado, um Jacó. Quando elas estão ausentes, temos um Esaú. 

 

A propensão para ser Esaú e a predestinação 

Quando aludimos aos predestinados, não queremos dizer, de nenhum modo, que uma pessoa que tenha grande propensão para Esaú não seja chamado a ser Jacó. Dá-se até quase o contrário. Na vida espiritual, as mais belas batalhas são ganhas contra os defeitos dominantes. E quando os possuímos, somos chamados por Nosso Senhor Jesus Cristo a sermos exímios na virtude oposta. Portanto, se quisermos conhecer esta virtude, devemos saber qual é o nosso defeito dominante. A virtude oposta será a preponderante.

Se se tem, portanto, uma tendência muito grande, um ímpeto muito forte para as coisas que caracterizam Esaú, deve-se ver nisso um chamado muito forte para o combate a esses defeitos. Nascerá então um Jacó.

O que marca o predestinado é o fato, não de ter alguém este ou aquele temperamento - porque entre todos os temperamentos encontramos predestinados - mas o de ter correspondido às graças necessárias para ver estas coisas, para ter uma particular devoção a Nossa Senhora e compreender, com isto, qual o dever a cumprir, e animosamente caminhar nessa trilha

 

"Filho, dá-me o teu coração" 

O ponto crucial em que a exposição de São Luís Grignion termina, e com o qual pomos fim a esta série de comentários, é este: há os que vivem ao léu, e outros que lutam contra seu fundo mau. São duas famílias espirituais completamente diferentes. Se quisermos estar na linha de nossa salvação, de nossa predestinação, devemos pertencer a esta segunda família. É a guerra a esse maldito “laissez faire, laissez passer” (deixar fazer, deixar passar, ou seja indolência – n.d.c.), por onde a alma se deixa levar preguiçosamente nas águas da fantasia e da "espontaneidade". Este é o ponto capital.

Se vivermos dispostos a lutar com grande coragem nessa batalha, não há o que não nos esteja prometido. Caso contrário, tudo estará perdido, não seremos filhos da promessa; para nós estarão cerrados os Céus. É neste sentido que os Céus se cerram para aqueles que não os querem abertos. Não há homem a quem os Céus não se abram, desde que correspondam à graça de Deus, que jamais falta a ninguém ao longo de toda a vida.

O hábito mais "delicioso" para o qual nós brasileiros temos tendência é viver ao léu de si mesmo. É a substância do gozo da sua vida. E nada há mais desagradável do que transformar-se de barco à vela em lancha a motor, e navegar contra a correnteza. Eis o ponto que divide os filhos da luz dos filhos das trevas.

O programa que daí se depreende é todo de atitude interior. Nosso Senhor nos pede o que de mais nobre nos poderia pedir, mas também o que de mais penoso poderia haver.

Há uma imagem de Nosso Senhor com o Coração na mão, dizendo ao fiel prostrado aos Seus pés: "Filho, dá-me o teu coração". Não representa isto mero sentimentalismo, nem significa dá-lo fisicamente. Seria muito fácil se pudéssemos fazer uma grande operação toráxica, tomar o coração e dá-lo a Nosso Senhor, dizendo: "Toma-o, mas deixa-me viver ao léu". Mas Nosso Senhor quer precisamente que deixemos de correr ao léu, ao léu da nossa fantasia, de nosso capricho, ao léu dos acontecimentos.

Governar-nos debaixo da Sua Lei, eis o que Nosso Senhor deseja de nós. Isto é dar-se a Nosso Senhor. É penoso, mas é lindo, como tudo que é penoso e que conduz a Nosso Senhor. Tem a beleza da Sua Cruz.

E nós, da geração-nova, temos uma padroeira que maravilhosamente nos ensina, de forma atraente e cheia de ternura, a maneira excelsa de conseguir tal força de alma, apesar de nossa extrema fraqueza e impotência: Santa Teresinha do Menino Jesus. Trilhando a sua "pequena via", chegaremos certamente a este enorme grau de perfeição na virtude. Esta a sua doce e suave promessa.

 

 


Índice pormenorizado

Introdução

Capítulo I - Necessidade da devoção à Santissima Virgem / Artigo I - Primeiro princípio: Deus quis servir-se de Maria na Encarnação

Segundo princípio: Deus quer servir-se de Maria na santificação das almas

Art. II - Consequencias: 1a. Maria é a rainha dos corações; 2a. Maria é necessária aos homens para chegarem ao seu último fim

Capítulo II - Verdades fundamentais da devoção à Santíssima Virgem

Capítulo II (continuação): Mediação Universal de Nossa Senhora na obra de São Luís Grignion

Capítulo III - Escolha da verdadeira devoção à Santíssima Virgem

Capítulo IV - A perfeita devoção à Santíssima Virgem ou a perfeita consagração a Jesus Cristo

Capítulo V - Motivos que nos recomendam esta devoção


Home

ROI campagne pubblicitarie