Carta de recomendação de D. Juan Rodolfo Laise (*) à obra

“PLINIO CORRÊA DE OLIVEIRA, 1908-1995 – DEZ ANOS DEPOIS...”

 

      Gaming, 30 de julho de 2005

     

      Estimados Srs. Diretores,

      Congratulo-me com a Associação dos Fundadores da TFP pela edição deste livro em memória do Dr. Plinio Corrêa de Oliveira, por ocasião do décimo aniversário do seu falecimento.

      Estou certo de que a leitura das diversas contribuições, que neste estudo iluminam várias facetas da sua longa trajetória — a qual tanto impacto produziu, a serviço de Cristo e da única Igreja por Ele fundada — será não só motivo de profundo e sentido reconhecimento pelo seu exemplar testemunho de filho da Igreja, mas também um estímulo para lutar, como ele o faria, para a consolidação da Civilização Cristã. Tarefa hoje mais necessária do que nunca, pois a sociedade contemporânea pretende viver como se Deus não existisse, até o absurdo de não querer reconhecer, obstinadamente, as raízes cristãs do continente europeu.

      Esta feliz iniciativa completa a valiosa contribuição do livro que escreveu o Prof. Roberto de Mattei, com o título O cruzado do século XX, que assinalou cronologicamente, com destacada maestria e documentação fundamentada e precisa, os aspectos mais salientes da rica personalidade de Plinio Corrêa de Oliveira.

      Ambos os estudos apresentam um homem justo, coerente com os valores supremos do direito natural e divino, pelos quais sempre pautou sua vida. Nessa trajetória ele foi sustentado pela Fé católica, que aprendeu como regra de vida no lar, e concretamente de sua mãe, a qual, como o próprio Dr. Plinio manifestou, ensinou-o a conhecer e amar a Igreja Católica.

      A partir da fé foi se enriquecendo uma convicção, que com o correr dos anos encontrou fundamentos cada vez mais profundos e estáveis; e foi-se forjando a têmpera heróica de um caráter vigoroso e combativo contra o poder do mal em todas as suas manifestações. Daí sua concepção da vida, centrada na luta incessante, sem descanso, assumindo as conseqüências que derivam da adesão a Cristo, como Ele próprio manifestou no Evangelho: "O servo não é maior do que o seu Senhor. Se perseguiram a Mim, também vos hão de perseguir" (Jo, 15,20).

      Essa luta contra o poder do mal em todos os campos da atividade humana era concebida pelo Dr. Plinio como uma Contra-Revolução. Ou seja, como a restauração da ordem desejada por Deus, em oposição à Revolução promovida pelas correntes de pensamento naturalistas que — desde o Humanismo e a Reforma protestante até o totalitarismo nazista-comunista, passando pelo Iluminismo e pela "heresia das obras", denunciada por Leão XIII com o nome de americanismo — declaram o homem auto-suficiente em suas conquistas, sem contar com o auxílio divino que, na vida privada e pública, dá valor e consistência ao esforço humano.

      Qual é a nossa vocação? A esta pergunta ele respondia: "Nossa vocação é fazer na Terra o que fizeram os anjos no Céu quando Lúcifer se rebelou contra Deus".

      Nessa luta da Contra-Revolução, Plinio Corrêa de Oliveira foi certamente um apóstolo, coerente a todo momento com sua Fé católica, alimentada na fecunda fonte da vida interior, que aprendeu desde jovem na leitura do livro A Alma de todo Apostolado, de Dom Chautard; e mais tarde completada com a consagração de todo o seu ser à Virgem Santíssima, de acordo com os ensinamentos de São Luís Maria Grignion de Montfort.

      Dessa profunda vida interior provinha sua certeza do triunfo do Coração Imaculado de Maria, como foi profetizado em 1917 nas revelações da Virgem em Fátima.

      Por isso ele animava os jovens a comprometer-se na luta contra o poder do mal, a não parar na metade do caminho, a escalar montes mais altos, confiando sempre em Nossa Senhora, que nos levará ao triunfo definitivo no tempo e na eternidade.

      O luminoso exemplo dessa vida excepcional, de um católico que sempre lutou por Cristo e por sua Igreja, para o triunfo da Civilização Cristã, será para todos um incentivo para imitá-lo em nosso tempo, que precisa mais do que nunca de apóstolos aguerridos e valentes para construir um mundo mais humano, fundamentado no respeito e colaboração com o projeto de Deus na História dos homens.

+ Juan Rodolfo Laise

Bispo emérito de San Luis - República Argentina

 

(*) D. Juan Rodolfo Laise nasceu em Buenos Aires, em 1926; ordenado sacerdote para a Ordem Franciscana dos Frades Menores Capuchinhos, em 1949; eleito bispo titular de Giomnio e coadjutor com direito à sucessão de San Luis, em 1971; bispo de San Luis por sucessão, no mesmo ano; renunciou por ter atingido a idade limite, em 2001. (cfr. op. cit., pp. 13-15, AA.VV., http://www.tfp-fundadores.org.br).