Catolicismo, n 562, outubro de 1997 (www.catolicismo.com.br)

Cardeal Stickler:

"A Igreja tem necessidade de homens como Plinio Corrêa de Oliveira"

Na conhecida Livraria Coletti, situada junto à Praça de São Pedro, em Roma, realizou-se no dia 2 de novembro do ano passado a primeira sessão de lançamento de Il crociato del secolo XX - Plinio Corrêa de Oliveira, de autoria do Prof. Roberto de Mattei.

Entre os presentes ao ato destacaram-se o Cardeal Alfons Stickler, o Cardeal Opilio Rossi e o Cardeal Paul Augustin Mayer. No final do evento, o Cardeal Stickler encerrou o encontro com as tocantes palavras que transcrevemos a seguir, uma vez que não tivemos ainda a oportunidade de transmiti-las aos nossos leitores:

"Devo dizer que encontrei este grande homem, Plinio Corrêa de Oliveira, em companhia de outras pessoas, de outras instituições e movimentos mais bem contestados, recusados até. Recebi cartas pessoais provenientes de vários países nos quais se acusam esses movimentos. Eu sempre fiquei pasmo com isso: como se explica que contra esses movimentos, os quais, tanto quando pude conhecê-los, eram não só ótimos movimentos, mas se baseavam sobre ótimos fundadores, se podia falar tanto mal, até mesmo em nossos ambientes da Igreja Católica?

"E devo dizer que encontrei um esclarecimento inteiro, face a essas contestações, no livro de nosso autor [prof. de Mattei] aqui presente. Ele dissipa praticamente todas as dúvidas sobre a personalidade, a doutrina e também sobre a obra de Plinio Corrêa de Oliveira. E com isso naturalmente também todas as dúvidas e calúnias. Por tal motivo fiquei muito contente em poder dizer a minha palavra pessoal, modesta porque não é de primeira competência neste caso, de modo semelhante ao de tantos que neste livro vêem agora a personalidade de Plinto Corrêa de Oliveira na sua verdade, no que tem de mais essencial e também na sua grande importância não somente para o passado mas para o presente e ainda mais para o futuro. ....

"Na situação atual em que nos encontramos, sobretudo na Igreja, temos necessidade de homens como ele, de uma retidão sem compromissos, de clareza de idéias e sobretudo de uma união sem nenhum limite à nossa autoridade e a quem devemos imitar".