Catolicismo, N.° 281, maio de 1974 (www.catolicismo.com.br)

 

 

Com a Grã-Cruz da Ordem da "Polonia Restituta", entregue pelo Ministro Rzyski

 

POLÔNIA LIVRE CONDECORA O PROF. PLINIO CORRÊA DE OLIVEIRA

 

O GOVERNO POLONÊS no Exílio, sedia­do em Londres, conferiu ao Prof. Plinio Cor­rêa de Oliveira a comenda da Grã-Cruz da Ordem da Polonia Restituta. Instituída em 1921 — após a brilhante vitória do Marechal Pilsudski sobre a Rússia soviética, que possi­bilitou a restauração do Estado polonês — é a mais alta condecoração daquele governo para civis, sendo atualmente conferida às per­sonalidades que se distinguem na luta contra o comunismo.

A comenda foi entregue ao Presidente do Conselho Nacional da TFP pelo Coronel-Aviador Tomasz Rzyski, Ministro de Assun­tos Sociais do Governo Polonês no Exílio, em cerimônia realizada no dia 14 de abril no au­ditório do Othon Palace Hotel, em São Paulo, perante numeroso público. Estavam presentes sócios e militantes da TFP de diversos Esta­dos, membros das congêneres argentina, chile­na, colombiana, equatoriana, uruguaia e norte-americana, bem como delegações das colônias croata, húngara, letoniana, lituana, polonesa e ucraniana, representando as nações subjugadas pelo comunismo, além de numerosos amigos do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira.

Ao impor a Grã-Cruz ao agraciado, o Mi­nistro Tomasz Rzyski afirmou que ele a me­recera por seus especiais méritos e virtudes, particularmente por ser "famoso líder antico­munista, conhecido escritor e publicista, exce­lente professor e educador da juventude brasi­leira, católico exemplar e defensor da Polônia livre". O Coronel Rzyski salientou a admirá­vel atuação da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade, presidida pelo homenageado.

Agradecendo ao Presidente da Polônia livre, Conde Julius Sokolniki, a distinção recebida, o Sr. Plinio Corrêa de Oliveira afirmou que "a Polônia pode estar jogada no chão pelo conluio traidor que a entregou ao adversário, a Polônia pode estar pisada, mas não está mor­ta, porque quem fala não está morto. E a Polônia fala pelos seus filhos que gemem. A Polônia está viva; ela vai ressurgir".

Salientando que onde houver um coração católico tem que haver uma ressonância de gratidão e admiração pela Polônia, o home­nageado prosseguiu, dirigindo-se ao Ministro Tomasz Rzyski: "A presente comenda, em meu peito, representa um ato de fidelidade à vossa pátria; em meus lábios, um hino de amor à vossa causa; em minha alma de católico, uma esperança firmissima de que Deus restituirá à Polônia sua plena liberdade".

O Prof. Plinio Corrêa de Oliveira concluiu frisando que as TFPs — que se estendem por toda a América e já lançam raízes no Velho Continente — constituem atualmente "uma cruzada mundial a favor da luta de todos os povos contra o inimigo da Fé".